Maioria das bolsas europeias fecha em queda

Índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,37%, a 256,26 pontos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de julho de 2010 | 14h40

A maioria das bolsas europeias fechou em queda hoje, diante do sentimento negativo que tomou conta dos mercados financeiros após a divulgação de balanços decepcionantes pela Colgate-Palmolive e pela Kellog''s. A cautela dos investidores antes da divulgação dos dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, amanhã, também pesou sobre os índices, embora os resultados corporativos mais fortes que o previsto na Europa tenham oferecido suporte. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,37%, a 256,26 pontos, revertendo ganhos registrados mais cedo na sessão, após ter atingido uma máxima intraday de 259,57 pontos.

"Não existe nenhum fator novo por trás da onda de vendas no final do dia. Então, pode-se imaginar que com os índices acionários europeus se aproximando de seus níveis de resistência, os investidores estão felizes em realizar lucros", disse Giles Watts, do City Index. Ele acrescentou que durante os meses de verão no hemisfério norte, os volumes de transações são baixos, o que pode tornar as bolsas mais voláteis.

Segundo David Jones, da IG Index, os investidores estão cautelosos, à espera dos números sobre o PIB dos EUA no segundo trimestre, que serão divulgados amanhã. "A força da recuperação econômica ainda é um problema para os investidores. Então não é uma surpresa que muitos deles estejam decidindo ficar fora do mercado até que esse dado seja divulgado".

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra DAX encerrou com queda de 0,72%, a 6.134,70 pontos. A fabricante de caminhões MAN perdeu 3,93%. O lucro líquido da empresa subiu para 151 milhões de euros no segundo trimestre deste ano, de 27 milhões de euros no mesmo período do ano passado. Quem também ajudou a reduzir os ganhos da bolsa foi a companhia aérea Deutsche Lufthansa, que caiu 4,49% após registrar um prejuízo líquido de 104 milhões de euros no primeiro semestre. As ações da farmacêutica Merck lideraram os ganhos, com alta de 4,61%, após a empresa divulgar um lucro líquido do segundo trimestre de 183,4 milhões de euros. As ações da Volkswagen subiram 3,05%, também após o balanço do segundo trimestre, que mostrou um lucro líquido de 1,25 bilhão de euros.

O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 0,11%, a 5.313,95 pontos. A farmacêutica AstraZeneca subiu 2,70%, após divulgar lucro de 2,11 bilhões de euros no segundo trimestre. O grupo de telefonia BT Group teve alta de 3,50%. A Unilever perdeu 2,36%.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em queda de 0,50%, em 3.651,91 pontos. A siderúrgica Vallourec perdeu 3,12%, ao avisar que seu segundo semestre pode ser menos lucrativo. Um dos destaques positivos foram as ações da companhia de serviços de tecnologia da informação Capgemini, que subiram 7,32%, após a empresa elevar sua perspectiva para este ano e registrar um lucro líquido de 101 milhões de euros no primeiro semestre. A France Telecom teve ganho de 5,47%, apesar de uma queda de 2,6% no Ebitda no segundo trimestre. A Compagnie Saint-Gobain, que divulgou seu balanço depois da sessão, fechou em alta de 0,45%. O lucro líquido da empresa subiu para 501 milhões de euros 1nos primeiros seis meses do ano.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 0,15% em 10.659,50 pontos. Quem puxou a alta foi a Telefónica, cujas ações subiram 3,20% após a companhia anunciar que teve um lucro forte no segundo semestre, de 2,12 bilhões de euros. O banco Santander perdeu 1,63%, pressionado pela realização de lucros observada nos papéis do segmento financeiro. O banco divulgou uma queda de 8% no lucro líquido no segundo trimestre em relação a igual período do ano passado, para 2,23 bilhões de euros.

O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, terminou com leve alta, de 0,07%, em 21.096,97 pontos. As ações de bancos fecharam em direções divergentes. O Intensa Sanpaolo perdeu 0,58%, o Banca Monte dei Paschi Siena subiu 0,20% e o UniCredit ficou estável. A fabricante de sapatos Geox avançou 7,48%, com um aumento de 4% na receita do segundo trimestre, apesar de uma queda de 33% no lucro líquido no primeiro semestre. Esse também é o caso da Enel, que subiu 0,32%, e da Pirelli, que ganhou 0,27%, depois de registrar resultados melhores do que o esperado para a primeira metade do ano.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em queda de 0,65%, em 7.407,56 pontos. O Banco do Comercial Português perdeu 4,35%, e o Banco do Espírito Santo teve queda de 1,33%. A PT Multimedia recuou 1,55%. No campo positivo, a Cimpor teve alta de 1,28%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropabalançosPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.