Maioria dos metais básicos fecha em alta

Contrato do cobre para três meses negociado na LME fechou em alta de 1,4%, para US$ 9.072,00 a tonelada

Paula Moura, da Agência Estado ,

20 de maio de 2011 | 16h59

Os contratos futuros dos metais fecharam em sua maioria em alta, com o cobre subindo na London Metal Exchange (LME) nesta sexta-feira, num sinal de que o cenário melhor dos fundamentos econômicos se sobrepôs à influência negativa do enfraquecimento do euro.

Enquanto os estoques dos armazéns da LME recuaram 775 toneladas métricas para 466.250 toneladas na quinta-feira, o cobre armazenado pela Shanghai Futures Exchange caiu aos níveis mais baixos desde setembro de 2010 nesta semana, a nona queda consecutiva, de acordo com a bolsa asiática.

As notícias deram apoio ao cobre, cujos estoques da LME haviam atingido as máximas em 11 meses na semana passada e cujos preços vinham sendo determinados pelo câmbio havia vários dias.

O contrato do cobre para três meses negociado na LME fechou em alta de US$ 122,00, ou 1,4%, para US$ 9.072,00 a tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para julho fechou em alta de US$ 0,0690, ou 1,70%, em US$ 4,1215 por libra-peso.

Mas, apesar das baixas recentes nos estoques, uma recomposição significativa dos estoques na Ásia não deve começar até o terceiro trimestre deste ano, mantendo os preços sob pressão no curto prazo, disse o Deutsche Bank em um relatório.

Entre os outros metais negociados na LME, o contrato para três meses do chumbo encerrou a sessão com alta de US$ 38,00, em US$ 2.511,00 a tonelada. O zinco subiu US$ 16,50 para US$ 2.151,50 a tonelada e o alumínio avançou US$ 2,00 para US$ 2.501,00 a tonelada. O contrato do níquel para três meses caiu US$ 15,00 para US$ 23.550,00 a tonelada, enquanto o contrato do estanho recuou US$ 490,00, para US$ 27.800,00 a tonelada.

No mercado de metais preciosos, o ouro e a prata, fecharam em alta. O contrato do ouro para junho subiu US$ 16,50, ou 1,11%, para US$ 1.508,90 por onça-troy, na Comex, fechando acima de US$ 1.500 pela primeira vez em seis sessões, com os investidores buscando um porto seguro para fugir do declínios dos mercados acionários e dos temores com o euro. O contrato da prata para julho subiu US$ 0,1550, ou 0,44%, para US$ 35,087 a onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouroprata

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.