Manguinhos reduz prejuízo e inicia em breve produção de biodiesel

A Refinaria de Manguinhos registrou prejuízo de R$ 22,9 milhões em 2006, segundo balanço divulgado pela empresa hoje. O prejuízo diminuiu em relação ao ano anterior, quando registrou resultado negativo de R$ 117,4 milhões. A recuperação se deve principalmente ao fato de a empresa ter paralisado suas atividades de refino de óleo, em agosto de 2005. A atividade não estava sendo vantajosa porque a refinaria não conseguia ser competitiva ante os preços abaixo do mercado internacional praticados pela Petrobras no mercado doméstico. A unidade, controlada pelo Grupo Peixoto de Castro e a Repsol YPF, deve iniciar em breve a produção de biodiesel, a partir de US$ 12 milhões investidos nos últimos dois meses para adaptar a planta à produção, que vai utilizar como matéria-prima sebo animal, óleos de soja e de girassol.A produção de biodiesel será feita em três etapas. Na primeira delas serão disponibilizados ao mercado 48 milhões de litros anuais do combustível, sendo que parte desta produção já foi negociada em leilão realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) em 2006, para ser entregue até o final deste ano. Em uma segunda fase, que deve ser iniciada apenas em 2008, a refinaria produzirá 100 milhões de litros de biodiesel ao ano e, a partir de 2010, entra em nova fase, com a produção de 360 milhões de litros anuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.