Mastercard adota nova marca institucional, com foco no comércio

A Mastercard anunciou hoje que irá adotar uma nova marca corporativa, destinada exclusivamente ao relacionamento com os emissores de cartão de crédito e estabelecimentos comerciais. O objetivo, de acordo com a empresa, é comunicar a atuação mundial da companhia. O logotipo mostra os dois círculos tradicionais da marca, porém com um terceiro, envolvendo o ponto de intersecção entre eles. Adicionalmente, será agregado o tema "No coração do comércio", cuja finalidade é estreitar relação com estes estabelecimentos.O presidente da Mastercard para a região das Américas, Walt Macnee, e o presidente para a América Latina e Caribe, Richard Hartzell, vieram ao Brasil para anunciar a mudança. Macnee esclareceu que esta comunicação não será destinada ao consumidor final, que continuará vendo os dois círculos amarelo e vermelho e o tema "não tem preço" nas peças publicitárias.Macnee negou que a intenção da empresa seja abrandar os conflitos com os estabelecimentos comerciais, com quem as empresas de cartão de crédito sempre divergiram com relação às tarifas cobradas. Ele admitiu que o jogo de palavras tem apelo emocional e a intenção é estabelecer uma comunicação mais inteligente e criativa com esta comunidade. Os cartões de crédito, junto com os de débito e os private label, respondem hoje por aproximadamente 16% do faturamento dos meios de pagamento no Brasil. A taxa de crescimento do débito em 2005 superou o de crédito, tanto com relação ao faturamento como ao número de transações, segundo Hartzell. Nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, os plásticos respondem por 65% a 70% dos meios de pagamento, o que demonstra o potencial de expansão. "Enquanto o brasileiro tem em média 1,5 cartão na carteira, na Europa são 8", afirmou. O Brasil está entre os 10 mais importantes mercados da Mastercard, informaram os executivos.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2006 | 14h23

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.