Máxima recomenda ações de consumo, mas com seletividade

A Bovespa segue apresentando forte volatilidade, em linha com as expectativas de analistas e administradores de recursos. O comportamento gangorra ainda não assusta os profissionais de mercado, pois há consenso de que os fundamentos macroeconômicos continuam sólidos, e as apostas permanecem concentradas basicamente em ações ligadas ao consumo interno, bancos e petróleo. "A turbulência deve se manter, mas o cenário de médio prazo para os países emergentes ainda é benigno", opina o gestor de renda variável da Máxima Asset Management, André Querne. "Olhando os fundamentos para 12 meses, nada mudou de forma significativa." O especialista pondera, no entanto, que dentro do ramo de consumo é preciso seletividade na relação entre queda de juros e aumento de vendas. Segundo ele, os papéis de Lojas Renner e Guararapes são os mais atrativos, pois devem se beneficiar da demanda por bens duráveis e ganhar participação de mercado. Souza Cruz, ao contrário, é vista como uma ação cara. "A empresa não deve ter um grande aumento de receita com o corte dos juros e, além disso, é forte exportadora", avalia. Ele também não vê com simpatia o ramo de alimentos, pela falta de perspectiva de crescimento sustentável, análise na qual se insere o Pão de Açúcar. Além disso, lembra, a rede de supermercados atua num ramo cuja concorrência é acirrada - o que dificulta a manutenção das margens de lucro. "Gostamos de Lojas Americanas, mas a estratégia atual seria manter o papel em carteira." O gestor destaca ainda que os bancos estão entre os mais favorecidos com a esperada continuidade na tendência de redução da taxa Selic. Isso porque tal movimento deve estimular ainda mais o foco das instituições financeiras na concessão de crédito, atividade na qual o spread é maior do que o da renda fixa tradicional. O gestor ressalta também que a manutenção do preço do petróleo em patamares elevados torna a aposta em Petrobras quase obrigatória. "É um papel que tem que fazer parte de qualquer carteira."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.