Mercado de juros mantém otimismo apesar de IPCA-15

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de outubro, com alta de 0,29%, veio perto do teto das estimativas do mercado, mas não deve provocar estresse no mercado de juros. Segundo operadores, é esperada a alta do IPCA no final do ano e a aceleração do indicador neste mês, portanto, não é considerada uma surpresa. "Não muda em nada a percepção positiva do mercado em relação à inflação", afirma um profissional. De todo modo, o dia deve repetir o desempenho de ontem, com ritmo lento de negócios, volume reduzido de contratos e pouca oscilação das taxas futuras, por causa da expectativa pela reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), que termina amanhã, com a definição da nova taxa básica de juros norte-americana, e, principalmente, com a expectativa pela ata do Comitê de Política Monetária (Copom), na quinta-feira. "Enquanto o mercado não ler a ata, os negócios devem ficar travados", afirma um operador. Às 10h04, o contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), projetava taxa de 13,23% ao ano, em queda ante taxa de 13,24% ao ano projetada no encerramento dos negócios ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.