Mercado de juros não reage a relatório de inflação do BC

O mercado de juros não reagiu à divulgação do relatório trimestral de inflação do Banco Central, que mostrou projeções de IPCA em pequena alta nos cenários de referência - tanto para 2006, quanto para 2007 - e queda naquelas relativas aos cenários de mercado. A taxa do contrato futuro de DI (depósito interfinanceiro) de janeiro de 2008 negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros estava em 15,52% ao ano antes do relatório (que veio a público às 10h10). Às 11h20, o juro futuro desse vencimento estava a 15,51%. O mercado de juros continua acompanhando a melhora no cenário externo. Nos cenários de referência do Banco Central (taxa Selic a 15,25% e câmbio a R$ 2,30 por dólar), a projeção de inflação para este ano subiu ligeiramente de 3,7% para 3,8% e, para 2007, elevou-se de 3,9% para 4,2%. Em ambos os casos, apesar do aumento, as projeções mantiveram-se abaixo da meta central de 4,5%. No caso da projeção de 2007, o incremento nas projeções de variação dos preços livres e o recuo da Selic responderam pela alta. Nos cenários de mercado (que considera as expectativas de mercado para as taxas de juros e de câmbio), a projeção de IPCA para 2006 caiu de 4,6% para 4,3% (agora abaixo da meta de 4,5%), enquanto que, para 2007, caiu de 5,4% para 5,2% (esta última, apesar da queda, se mantém acima da meta central de 4,5%). Tais reduções devem-se aos efeitos inerciais da menor inflação vista ao longo de 2006 e à menor variação projetada para os preços administrados em 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.