Mercado de petróleo faz ajuste e preço sobe

O petróleo opera sustentado nesta manhã, com investidores voltados a questões relacionadas à crise na Nigéria e à disputa nuclear no Irã. A recuperação modesta de preço é interpretada também como ajuste à forte queda de ontem, em reação ao aumento muito acima do previsto dos estoques norte-americanos de petróleo na semana passada e à decisão da Opep de manter as cotas de produção. Às 10h24 (de Brasília), o contrato de abril do petróleo negociado na Nymex eletrônica subia US$ 0,29 (0,48%) para US$ 60,31 o barril. O contrato de abril do petróleo negociado na plataforma eletrônica ICE, de Londres, operava em alta de US$ 0,54 (0,90%), para US$ 60,57 o barril. Os operadores de petróleo dizem que a commodity encontrou sustentação próximo a US$ 60,00 o barril, mas não descartam retração abaixo do nível, especialmente se a situação na Nigéria se normalizar e não houver progresso desfavorável na questão do Irã. Mas, por enquanto, não há sinais claros de solução para ambas crises no curto prazo. Um grupo militante nigeriano que mantém três trabalhadores de companhias de petróleo como reféns enfrentaram as forças militares da Nigéria na região do delta do Níger. A produção diária de petróleo do país continua reduzida em 400 mil barris, mas o déficit deverá cair para 350 mil barris diários em breve. Ontem, o Irã a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) enviou ao Conselho de Segurança da ONU um relatório para possível ação punitiva contra o Irã. Um diplomata russo criticou nesta manhã os esforços para conduzir a questão iraniana no Conselho, sugerindo que os Estados Unidos estão ansiosos para retirar o problema das mãos da AIEA. Analistas da Sucden Commodity disseram que o mercado de petróleo segue preocupado com a possibilidade de qualquer ação punitiva, que venha a ser tomada pelo Conselho de Segurança e que possa provocar redução na oferta de petróleo. Mas a perspectiva de o Conselho chegar a impor sanções contra o Irã são bastante distantes. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.