Mercado doméstico acompanha reação positiva de NY

O mercado doméstico acompanha a reação positiva nos mercados norte-americanos às declarações do presidente do Fed (banco central americano), Ben Bernanke, no Senado norte-americano. Bernanke disse que a moderação do crescimento dos EUA "parece estar agora a caminho", o que deve ajudar a limitar as pressões inflacionárias no decorrer do tempo. Embora tenha destacado que o recente aumento da inflação deve-se a fatores técnicos e que as expectativas inflacionárias "continuam contidas", ele afirmou que a inflação segue sendo um motivo de preocupação para a autoridade monetária. A Bovespa reagiu em alta de mais de 2% ao depoimento de Bernanke. O volume negociado também cresceu e projeta para o fechamento R$ 2,2 bilhões. As ações que estão liderando a recuperação do Ibovespa à vista são do setor bancário. Às 11h23, Unibanco Units subia 5,31%; Itaú PN, 4,88%; Bradesco PN, 4,79%, além de Itaúsa PN, 4,27%. No mercado de câmbio, as declarações suaves de Bernanke ajudam a definir a trajetória de queda das cotações. Sem sobressaltos na fala do comandante do banco central dos EUA, o mercado volta a sentir a falta de compradores de dólares e fica aguardando o leilão de compra do Banco Central para poder repassar a ele os recursos decorrentes do fluxo positivo. Às 11h37, a moeda norte-americana era cotada a R$ 2,187 (-0,27%) na Bolsa de Mercadorias & Futuros e a R$ 2,187 no mercado interbancário. A mínima até o momento foi de R$ 2,1838. Os juros futuros dos contratos de DI mais líquidos também buscaram as mínimas da manhã após a fala de Bernanke. O juro do DI de janeiro de 2008 bateu a mínima de 14,71% ao ano e voltou para 14,73%, ante 14,80% de ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.