Mercado duvida da Opep e petróleo fecha em queda

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, em Londres). Na Nymex, o nível de fechamento é o mais baixo dos últimos oito meses. Operadores atribuíram a queda a dúvidas sobre se a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) será capaz de reduzir suas exportações em até 1 milhão de barris por dia, como alguns integrantes da organização têm dito. A Arábia Saudita, maior exportador da Opep e do mundo, até agora não se manifestou sobre as propostas de corte na produção, o que contribuiu para as dúvidas crescerem. "Acho que o mercado está pensando que o corte da Opep deverá ser sobre sua quota máxima de produção de 28 milhões de barris por dia, o que significa que um volume reduzido de petróleo bruto deixará de entrar no mercado", comentou o analista Tom Bentz, do BNP Paribas. Segundo o Departamento de Energia dos EUA (DoE), a produção média da Opep em setembro ficou em 27,8 milhões de barris por dia, 1,3% abaixo do teto estabelecido pelo próprio grupo. Guy Caruso, o chefe da Administração de Informação sobre Energia, divisão de análises do DoE, disse duvidar que a Opep venha a reduzir sua produção em 1 milhão de barris por dia. "Com base nos registros históricos, alguns países da Opep já estão produzindo menos do que suas quotas. Por isso, nossa expectativa é de que provavelmente não haverá uma redução de 1 milhão de barris", acrescentou. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fecharam a US$ 58,52 por barril, em queda de US$ 1,44, ou 2,40%. A mínima foi em US$ 58,40 e a máxima em US$ 60,68. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para novembro fecharam a US$ 59,34 por barril, em queda de US$ 1,20, ou 1,98%, com mínima em US$ 59,09 e máxima em US$ 61,25. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.