Brendan McDermid/Reuters - 10/9/2021
Brendan McDermid/Reuters - 10/9/2021

Mercados internacionais recuam com preocupação sobre recuperação da economia global

Incertezas enfrentadas por alguns dos maiores países do mundo e desafios impostos pela variante Delta da covid ficaram no radar de investidores; exceção, Bolsas da Ásia subiram

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2021 | 18h15

Os principais índices do exterior fecharam em queda nesta sexta-feira, 10, com os investidores preocupados com a recuperação da economia global, diante das incertezas enfrentadas por alguns dos maiores países do mundo e ainda com os desafios impostos pela variante Delta do coronavírus.

Na análise de Michael Hewson, economista da CMC Markets, o movimento dos preços desta semana sugere que há uma ansiedade crescente entre investidores sobre a perspectiva de crescimento econômico. O temor está relacionado, principalmente, com os possíveis efeitos de uma contínua alta nos preços e problemas com cadeias de abastecimento sobre os padrões de gastos e salários, diz o analista. Hoje, dados oficiais mostram que o crescimento do Reino Unido desacelerou de 1,0% em junho para 0,1% em julho. 

Hoje, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 0,7% em agosto ante julho. O resultado veio um pouco acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam aumento de 0,6%. Na comparação anual, o PPI teve alta de 8,3% em agosto, a maior desde que o indicador começou a ser calculado, em novembro de 2010.

Na visão da LPL Markets, os principais mercados terminaram em queda na semana com base nas "preocupações dos investidores sobre a variante Delta do coronavírus, a redução dos estímulos do Fed e o aumento do risco político". Wall Street "poderia ver alguns passos construtivos" entre as duas maiores economias do mundo depois que o presidente chinês, Xi Jinping, e o americano, Joe Biden, conversaram pela primeira vez desde fevereiro, avalia Edward Moya, analista da Oanda, sobre a conversa de ambos na última noite.

O diálogo entre Biden e Xi alimentou esperanças de que as tensões bilaterais diminuam e de que os dois países eventualmente suspendam tarifas comerciais impostas um ao outro, segundo Anna Stablum, analista da corretora Marex. Em comunicado, a Casa Branca afirmou que "os dois líderes tiveram uma ampla e estratégica discussão em que trataram de áreas em que nossos interesses convergem, e áreas em que nossos interesses, valores e perspectivas divergem".

Sobre a política monetária, a presidente da distrital de Cleveland do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Loretta Mester, afirmou que é possível que o mercado de trabalho americano não atinja o nível anterior à pandemia este ano. Mesmo assim, ela destacou a "notável melhora" recente e alertou para riscos de que a inflação nos EUA suba ainda mais. Já o dirigente do Fed de Richmond, Tom Barkin, alertou sobre uma possível pressão nos salários, uma vez que há dificuldades de empresas para reter pessoal, sobretudo em cargos com rendimentos mais baixos.

Bolsa de Nova York

No mercado de Nova York, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,78%, o S&P 500 caiu 0,77% e o Nasdaq recuou 0,87%. Na semana, o Dow Jones teve baixa 2,15%, enquanto o S&P 500 acumulou perda de 1,69% e o Nasdaq recuou 1,61%.  

Hoje, as ações da Apple caíram 3,31% após a derrota da empresa contra a criadora do Fortnite, no processo antitruste da Epic Games. Uma juíza distrital decidiu que a Apple se envolveu em conduta anticompetitiva que prejudica os consumidores. "Se este é o início de mais ações judiciais para a Apple, isso pode desestabilizar alguns investidores", já que as margens da empresa parecem estar em risco, avalia Moya. 

Bolsas da Europa

O clima também foi negativo para o mercado europeu. O índice Stoxx 600 fechou em queda de 0,26%, enquanto a Bolsa de Paris caiu 0,31% e Frankfurt teve queda de 0,09%. Os índices de Milão, Madri e Lisboa tiveram baixas de 0,86%, 1,20% e 0,61% cada. Na contramão, a Bolsa de Londres subiu 0,07%.

Bolsas da Ásia

Apesar do sinal negativo nos demais mercados, os índices asiáticos fecharam em alta, após o sinal de trégua entre os presidentes dos EUA e da China. A Bolsa de Tóquio subiu 1,25%, enquanto Hong Kong teve ganho de 1,91%, Seul, de 0,36% e Taiwan, de 0,98%. Os ganhos dos índices chineses foi modesto, com Xangai subindo 0,27% e Shenzhen, 0,31%.

Na Oceania, a bolsa australiana também ficou no azul hoje, em alta de 0,50%, se recuperando parcialmente da forte queda do pregão anterior.

Petróleo

petróleo fechou em alta, nesta sexta-feira. Os contratos foram apoiados pela notícia de um telefonema entre os presidentes dos EUA e China. O petróleo WTI para outubro fechou em alta de 2,23%, em US$ 69,72 o barril, e o Brent para novembro avançou 2,06%, a US$ 72,92 o barril. Na comparação semanal, o WTI subiu 0,62% e o Brent, 0,43%. /MAIARA SANTIAGO, MATHEUS ANDRADE, ILANA CARDIAL E SÉRGIO CALDAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.