Mercados na Europa sobem após dados positivos dos EUA

Após três dias de perdas, o índice pan-europeu STOXX 600 encerrou o dia com alta de 0,75%

29 de agosto de 2013 | 13h41

As bolsas europeias fecharam em alta nesta quinta-feira, 29, seguindo a tendência vista em Wall Street até o começo da tarde, em meio à diminuição de temores de que haverá uma eventual intervenção militar do Ocidente na Síria e com a divulgação de indicadores positivos da economia norte-americana. Após três dias de perdas, o índice pan-europeu STOXX 600 encerrou o dia com alta de 0,75%, a 300,13 pontos, voltando a acumular ganhos no mês.

Na quarta-feira, 28, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse não ter decidido ainda sobre uma possível resposta ao suposto uso de armas químicas contra civis pelo regime do presidente sírio Bashar Assad. Já as tentativas da Casa Branca e de países aliados de obter apoio para ataques militares têm encontrado resistência.

Além disso, foi divulgada na manhã de hoje a segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre, que mostrou expansão anual de 2,5%, ante uma alta anteriormente estimada em 1,7%. Analistas consultados pela Dow Jones Newswires previam um aumento menor do PIB, de 2,2%. Enquanto isso, o número de pedidos de auxílio-desemprego no país caiu 6 mil na semana passada, para 331 mil, vindo em linha com as expectativas.

Mais cedo, os dados favoráveis pesaram em Nova York e na Europa, com algumas das bolsas do continente chegando a operar em território negativo, diante da interpretação de que os sinais de recuperação dos EUA devem levar o Federal Reserve a começar a retirada sua política de estímulos no curto prazo. A boa notícia na frente macroeconômica, no entanto, parece ter prevalecido.

Em Londres, o índice FTSE 100 teve alta de 0,82%, terminando o pregão a 6.483,05 pontos, impulsionado em parte pela Vodafone (+8,2%), que confirmou estar negociando com a Verizon a venda de sua participação de 45% numa joint venture mantida pelas duas telefônicas.

No mercado francês, o ganho do índice CAC 40, das ações mais negociadas em Paris, foi de 0,65%, a 3.986,35 pontos. O Carrefour, que voltou ao azul e reduziu seu endividamento no primeiro semestre, saltou 5,6% hoje. Já a Vivendi, cujo lucro subiu no segundo trimestre, avançou 1,6%.

Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,45%, a 8.194,55 pontos, após mostrar volatilidade ao longo da sessão, que foi o caso também das bolsas francesa e espanhola. Os destaques na Alemanha foram a Continental (+3,9%), Lufthansa (+2,1%) e Daimler (+1,9%).

O índice FTSE Mib, de Milão, mostrou o melhor desempenho entre os grandes mercados europeus, avançando 0,97%, a 16.905,15 pontos. O comissário de assuntos econômicos da União Europeia, Olli Rehn, elogiou hoje a garantia dada pelo primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, de que o país respeitará os compromissos do Orçamento de 2013, mesmo após a derrubada de um polêmico imposto sobre propriedades.

Em Madri, o índice IBEX 35 avançou 0,40%, para 8.432,10 pontos, enquanto em Lisboa, o índice PSI 20, que também oscilou mais cedo, garantiu alta de 0,69%, para 5.900,48 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.