Mercados oscilam após decisão sobre juros dos EUA

Os mercados financeiros oscilam, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, após a decisão do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de manter a taxa básica de juros norte-americana em 5,25% ao ano. A decisão era amplamente aguardada pelos mercados, que agora interpretam o comunicado divulgado pelo BC americano sobre a decisão de política monetária. O dólar negociado à vista no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e o dólar comercial, no mercado interbancário, renovaram a mínima de R$ 2,147 (-0,14%), acompanhando a reação imediata de alta das Bolsas e de queda dos juros dos títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) e do dólar em Nova York. A subida do Dow Jones foi efêmera e, por volta das 15h30, o índice industrial norte-americano já voltava a recuar, numa oscilação seguida pela Bovespa. Mesmo assim, o dólar permanecia na mínima na BM&F, cotado a R$ 2,147 (-0,14%). O dólar comercial cedia 0,09%, a R$ 2,148. Além de decidir que a taxa básica de juros ficaria inalterada em 5,25% ao ano, o Fed citou em seu comunicado que o efeito acumulado dos apertos passados vai limitar a inflação, que a pressão inflacionária provavelmente vai se moderar com o tempo e vê "impulso reduzido dos preços da energia". O mercado de juros ampliou a queda logo após a divulgação do comunicado. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado na BM&F, recuou à mínima do dia, com taxa de 13,13%. O mercado de juros já mostrava disposição em reduzir os prêmios dos contratos ao longo da manhã e, após o anúncio da decisão do Fed, apenas intensificou esse movimento. ?Diante desse cenário positivo para juros, tanto aqui quanto lá fora, ninguém quer ?tomar? DIs, ampliando a queda das taxas?, diz um operador. Na Bolsa paulista, o Ibovespa operava em alta quando o Fed anunciou sua decisão, e ampliou um pouco os ganhos pós-comunicado, mas o fôlego foi curto. Logo após, o índice inverteu o rumo, acompanhando Nova York, e trabalhava em queda de 0,29%, aos 39.384,2 pontos. O índice Dow Jones, por sua vez, caía 0,24%, aos 12.098,7 pontos. Segundo um operador, a queda está sendo impulsionada por um movimento de realização de lucros, já que o Dow Jones vinha registrando recordes de pontuação nos últimos dias. A praça paulista apenas acompanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.