Mercados se estressam à espera de dados

O dólar à vista acentuou a alta neste final de manhã, em sintonia com a queda exibida pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), superior a 3%. Na máxima, o dólar comercial balcão subiu até R$ 2,351, alta de 3,34%. Segundo um operador, além da realização de lucros na Bovespa, investidores voltam a se preocupar com a alta forte dos juros futuros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), que traz prejuízos aos investidores posicionados em títulos prefixados. Considera-se a possibilidade de o Tesouro Nacional ter de voltar a fazer leilões combinados de compra e venda de Notas do Tesouro Nacional da série B (NTN-B), títulos atrelados ao IPCA. Na BM&F, o contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, mais negociado, projetava às 12h35 taxa de 16,03% ao ano, ante 15,57% ontem. No mercado cambial, o disputa em torno dos ajustes de final de mês também contribui para a pressão sobre o dólar à vista. Além disso, há expectativas com ata do comitê de mercado aberto dos EUA (Fomc), a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) amanhã e os dados do mercado de trabalho de maio nos EUA, na sexta-feira. No exterior, na volta do feriado, o dia hoje começou negativo com as quedas Bolsas, que se acentuaram ao longo da manhã. O índice Dow Jones recuava 1% e o Nasdaq 1,27%. Enquanto a Bolsa de Londres caía 2,40%. Os juros dos títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) e os preços do petróleo estão em alta, completando o cenário de cautela para o dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.