Merrill Lynch e UBS elevam preço-alvo da Net para R$ 32

Os bancos de investimentos Merrill Lynch e UBS Pactual elevaram o preço-alvo ao fim de 2007 para as ações da Net, ambos para R$ 32. Segundo o Merrill Lynch, a elevação incorpora tanto as sinergias provenientes da aquisição da Vivax (estimadas em R$ 1,4 bilhão) e as previsões de resultados um pouco melhores. Em relatório, os analistas do Merrill Lynch afirmaram que, apesar da recente valorização das ações da Net, o nível do papel continua atraente. O novo preço-alvo implica uma valorização em torno de 33% em relação à cotação atual. "A combinação de fundamentos corporativos sólidos com o crescimento do setor deverá dar um impulso adicional para os ações da companhia este ano, do nosso ponto de vista. Como a maior operadora de TV a cabo do Brasil, a Net parece bem posicionada para continuar capturando valor de oportunidades de expansão que acreditamos serem atraentes. A presença da TV paga e da banda larga continua baixa no Brasil e acreditamos que a Net tenha uma janela de oportunidade favorável para crescer", afirma o relatório. Os analistas do Merrill Lynch estimam que a Net poderá reduzir as despesas gerais e administrativas da Vivax em aproximadamente 50%. Além disso, o aumento da escala resultante da aquisição poderá resultar em um corte de aproximadamente 7% dos custos de programação combinados, por causa de descontos em acordos com provedores de conteúdo e do aumento do poder de negociação relacionado à expansão da base de assinantes. UBS De acordo com a avaliação do banco UBS Pactual, o preço-alvo da ação da Net, de R$ 29,00 para R$ 32,00, confere ao papel potencial de alta de 32%, e reforça a recomendação "compra 2" em relatório assinado pelos analistas Carlos Sequeira e Stephen Graham. No mesmo documento, o UBS ajusta o preço-alvo de Vivax de R$ 45,00 para R$ 54,50.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.