Merrill Lynch elogia parecer da CVM em favor dos minoritários

O banco de investimentos Merrill Lynch elogiou a recente decisão da Comissão de Valores Mobiliários(CVM) de ampliar os direitos dos acionistas preferenciais, considerando-a uma vitória em favor da melhoria dos padrões de governança corporativa. Em relatório, o banco de investimentos declarou: "Aplaudimos a opinião da CVM de reforçar os direitos dos acionistas preferencialistas, reduzindo as chances de um tratamento injusto para com os minoritários", afirmou o banco em relatório. Na sexta-feira, a CVM divulgou parecer ampliando a proteção para os detentores de papéis PN. A decisão impede os controladores - aqueles que possuem ações com direito a voto - de votar sobre assuntos que poderiam resultar em benefício próprio à custa dos outros acionistas. "No nível macro, a melhora das práticas de governança respalda a tese de que a avaliação das companhias brasileiras está convergindo para o padrão dos mercados emergentes", diz o Merrill Lynch. A determinação da CVM responde a uma antiga demanda dos investidores por normas mais claras sobre os direitos dos acionistas em face da complexidade das leis brasileiras que regulam a estrutura acionária de empresas de capital aberto. Embora tenha recebido bem o parecer, o Merrill Lynch se mostrou menos entusiasmado com seu impacto imediato. "Continuamos descrentes de que o parecer da CVM irá se tornar um catalisador para uma onda de revisões de recomendação das ações preferenciais vis-à-vis as ações ON correspondentes", afirmou o banco. "Entre as companhias brasileiras, o investimento via ações ON continua sendo o melhor caminho para alinhar os interesses do controlador com os dos minoritários", acrescenta. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

23 de agosto de 2006 | 12h02

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.