Meta para conta corrente prevê corte de desequilíbrio a 4% do PIB

Segundo o ministro das Finanças do Japão, Yoshihiko Noda, a proposta foi apresentada pelos EUA e pela Coreia do Sul durante o primeiro dia do encontro de autoridades do G-20

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

22 de outubro de 2010 | 10h02

O ministro das Finanças do Japão, Yoshihiko Noda, disse que os Estados Unidos e a Coreia do Sul apresentaram uma proposta preliminar para que os países reduzam os desequilíbrios em conta corrente para 4% ou menos de seus respectivos PIBs até 2015. Os comentários foram feitos após o encerramento do primeiro dia do encontro dos ministros das finanças e representantes dos bancos centrais do G-20.

Noda disse ter expressado oposição à ideia de introdução de qualquer "meta numérica, rígida" para o balanço em conta corrente, a mais ampla medida sobre os ganhos das nações com comércio e investimentos. Mas pode ser aceitável (utilizar tais metas) como um número de referência, para avaliar os progressos do reequilíbrio global, acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.