Metais atingem máximas enquanto dólar se enfraquece

Moeda perdeu valor diante de várias moedas depois que autoridades do G-20 não aprovaram a proposta dos EUA para estabelecer metas para redução dos desequilíbrios comerciais dos países

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de outubro de 2010 | 08h59

Alguns metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) atingiram novas máximas em vários meses no início da sessão desta segunda-feira, puxados pelo dólar fraco diante da maioria das outras moedas e pelo sentimento altista nos mercados de ações. Em Nova York, o cobre negociado na Comex tem valorização superior a 2%.

O dólar perdeu valor diante de várias moedas depois que os ministros de Finanças e representantes de bancos centrais do G-20 chegaram a um acordo para evitar desvalorizações competitivas de suas moedas, mas não aprovaram a proposta dos EUA para estabelecer metas para redução dos desequilíbrios comerciais dos países.

"O acordo do G-20 para não desvalorizar competitivamente suas moedas colocou o dólar de novo sob pressão, enquanto a especulação sobre uma proposta do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de uma segunda rodada de afrouxamento quantitativo voltou", comentou o analista de metais James Moore, da FastMarkets.com. "Os metais estão se beneficiando da perspectiva de estímulo adicionai e do dólar fraco, e ambos provavelmente vão fornecer direção nas próximas sessões", afirmou.

O contrato de cobre para três meses subiu para a máxima em 27 meses na LME, a US$ 8.549 por tonelada, antes de reduzir os ganhos para US$ 8.495 por tonelada, às 7h20 (de Brasília), uma alta de 1,9% em relação ao fechamento de sexta-feira. Um operador de Londres afirmou que a notícia de que o JPMorgan Chase & Co. está lançando um ETF (exchange-trade fund) de cobre físico também pode ter dado suporte para o metal, já que resultaria em demanda de investimento extra.

Chumbo e zinco subiram para as máximas em 10 meses, antes de reduzirem a alta para operar em cerca de US$ 2.580 por tonelada e US$ 2.579 por tonelada, com avanços de 2% e 2,7%, respectivamente, às 7h20. O níquel subia 2,2%, para US$ 23.700 por tonelada, e o estanho tinha ganho de 1,7%, para US$ 26.800 por tonelada. Na Comex, o cobre para dezembro subia 2%, para US$ 3,8730 por libra-peso, às 8h50 (de Brasília).

Os preços dos metais básicos deverão continuar em alta enquanto o dólar estiver caindo diante de outras moedas e o apetite por commodities permanecer forte, segundo um operador de Londres. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.