Metais básicos caem após dados da China

Os contratos futuros de metais básicos operam em queda nesta segunda-feira, após indicadores fracos do setor industrial da China. Os dois índices de gerentes de compras (PMIs) industriais da segunda maior economia do mundo, tanto o medido pelo banco HSBC quanto o oficial, recuaram em novembro. A leitura vinda do banco caiu para 50,0 em novembro e marcou o resultado mais baixo desde maio, enquanto o número oficial teve baixa para o nível mais fraco desde março, a 50,3.

AE, Estadão Conteúdo

01 Dezembro 2014 | 10h28

A China é o maior consumidor de cobre do mundo e os metais básicos tendem a espelhar as condições econômicas do país asiático. Quando a economia mostra sinais de fragilidade, a demanda recua e os preços caem.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses recuava 0,9%, para US$ 6.295,00 por tonelada, há pouco. O alumínio tinha perda a 0,6%, para US$ 1.992,00 por tonelada, o zinco recuava 1,0%, para US$ 2.193,50 por tonelada, o níquel cedia 0,6%, para US$ 16.176,00 por tonelada, o chumbo se desvalorizava 0,1%, para US$ 2.026,50 por tonelada, e estanho perdia 0,7%, para US$ 20.100,00 por tonelada.

Na Comex, às 10h21 (de Brasília), o cobre para março recuava 0,53%, para US$ 2,8310 por libra-peso. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
MundoMetais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.