Metais básicos e ouro fecham em baixa diante de avanço do dólar

Especialistas dizem que o movimento do euro deve ditar a direção do mercado de metais

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

24 de março de 2010 | 16h53

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos e do ouro fecharam em baixa, pressionados pelo fortalecimento do dólar em relação a outras moedas fortes, como o euro, em meio a preocupações do mercado com a saúde financeira de Portugal e com a possibilidade de um esperado pacote de auxílio à Grécia não se concretizar nos próximos dias.

 

Outro fator que contribuiu para o declínio nos preços dos metais foi a queda anualizada de 2,2% nas vendas de imóveis residenciais novos nos EUA em fevereiro. Analistas consultados pela Dow Jones esperavam um aumento de 1,9%.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME), o contrato do cobre para três meses caiu US$ 64,00, ou 0,86%, para US$ 7.371,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o preço do contrato do cobre para maio recuou US$ 0,0335, ou 0,99%, para US$ 3,3455 por libra-peso, enquanto o contrato do ouro para abril perdeu US$ 14,90, ou 1,35%, para US$ 1.088,80 por onça-troy.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em baixa de US$ 78,00, a US$ 2.026,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco caiu US$ 30,00, para US$ 2.210,00 por tonelada. O contrato do alumínio recuou US$ 36,00, para US$ 2.222,00 por tonelada, e o contrato do níquel perdeu US$ 250,00, para US$ 22.245,00 por tonelada. O contrato do estanho fechou em queda de US$ 75,00, a US$ 17.500,00 por tonelada.

 

Pouco após o fechamento dos mercados de metais, o euro caía para US$ 1,3349, de US$ 1,3496 na terça-feira, enquanto o dólar tinha alta para 92,05 ienes, de 90,40 ienes ontem.

 

O euro sofreu pressão após a agência de classificação de risco Fitch reduzir o rating de Portugal para AA-, de AA, devido ao desempenho significativamente ruim do orçamento do país em 2009. Além disso, pela manhã, os investidores mostravam-se céticos em relação à possibilidade de os líderes europeus elaborarem um pacote de auxílio à Grécia em uma reunião que começará amanhã.

 

Segundo o analista do Standard Bank, Leon Westgate, o movimento do euro deve ditar a direção do mercado de metais na ausência de outras influências. Para o analista Michael Jansen, do JPMorgan, indicadores melhores podem limitar o declínio nos preços. "A melhora no pano de fundo macroeconômico em termos de crescimento e desempenho do mercado de ações deve garantir que o recuo do cobre, do alumínio e do níquel seja contido". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreníquelouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.