Metais básicos e preciosos fecham em queda com dólar e Índia

Aumento de juros indianos trouxe preocupações sobre a possibilidade da China também elevar taxas

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 17h53

Os contratos futuros dos metais básicos fecharam em queda na London Metal Exchange (LME), seguindo um movimento semelhante das bolsas e dos mercados de commodities que foi conduzido pela alta da taxa de juros anunciada pelo banco central da Índia. O aumento da taxa de juros indiana alimentou as preocupações de que a China pode promover em breve um aperto monetário, e deu mais ímpeto à alta do dólar contra o euro.

 

Os traders disseram que o avanço da moeda americana e as vendas do petróleo e do ouro obrigaram os investidores que estavam comprados a vender suas posições.

 

"Eu acho que a alta da taxa de juros na Índia provavelmente abateu um pouco (os metais)", disse um trader em Londres.

 

O Reserve Bank of India elevou nesta sexta-feira as taxas de juro de referência da economia em 0,25 ponto porcentual.

 

O euro recuou ante o dólar para o seu mais baixo patamar desde o dia 2 de março, num momento em que os mercados de ações estavam em baixa, depois de registrarem várias altas seguidas.

 

Os metais terminaram a semana perto de seus fechamentos da semana passada, tendo em vista que continuaram a consolidar o rali de fevereiro.

 

O níquel reduziu os ganhos do dia anterior e registrou a maior queda, recuando 1,47%, para US$ 22.425,00 a tonelada.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) na LME, o chumbo para três meses recuou US$ 50, fechando a US$ 2.195,00 por tonelada, enquanto o zinco para três meses teve perda de US$ 39 para US$ 2.294,00,00 por tonelada. O alumínio para três meses perdeu US$ 17 para US$ 2.258,00 por tonelada. O estanho para três meses caiu US$ 145 para US$ 17.645,00 por tonelada.

 

O cobre em contrato para três meses caiu US$ 54, ou 0,72%, e fechou a US$ 7.432,00 a tonelada.

 

Os estoques do cobre na LME continuaram a diminuir. No entanto, os estoques semanais do metal na Shanghai Futures Exchange subiram aproximadamente 14 mil toneladas, mais que compensando o declínio nos estoques de cobre LME nesta semana.

 

A mineradora sueca Boliden disse que vai reiniciar sua fundição de cobre Harjavalta neste fim de semana depois que uma greve no porto da Finlândia foi encerrada mais cedo do que o esperado. A empresa interrompeu a fundição na quinta-feira. Um porta-voz da companhia disse que eventuais perdas de produção seriam recuperadas em semanas.

 

Os contratos futuros do cobre encerraram em baixa na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), com outros ativos reconhecidamente mais arriscados, como as ações, uma vez que as preocupações sobre a situação fiscal da Grécia e o aumento surpresa da taxa de juros na Índia impulsionaram a alta do dólar. O cobre em contrato para maio caiu US$ 0,0230 (0,68%) para US$ 3,3725 a libra-peso.

 

Entre os metais precisos, os contratos futuros do ouro negociados na Comex também foram afetados pela alta do dólar e o pelo aumento dos juros na Índia. O golpe final sobre o metal veio quando o mercado furou níveis técnicos que acionaram vendas adicionais, levando o metal a registrar seu menor nível na semana. O contrato de ouro para abril perdeu US$ 19,90 (1,76%) e fechou a US$ 1.107,60 a onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.