Metais básicos encerram em alta

Na Comex, o cobre para julho fechou em alta de 2,3%, em US$ 4,1070 por libra-peso

Clarissa Mangueira, da Agência Estado ,

25 de maio de 2011 | 16h05

Os contatos futuros dos metais básicos fecharam com desempenho positivo na London Metal Exchange (LME), impulsionados pela alta de 2,3% do preço do cobre, que encerrou acima dos US$ 9.000,00 a tonelada.

O cobre subiu US$ 204,00, para US$ 9.065,00 a tonelada, conseguindo reverter suas perdas registradas no início da semana. O cobre está sendo negociado agora num nível similar ao do início da segunda-feira, antes de ter sido afetado pela divulgação de dados fracos chineses e de uma queda acentuada das bolsas.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para julho fechou em alta de US$ 0,0940, ou 2,3%, em US$ 4,1070 por libra-peso.

Alguns profissionais disseram que o cobre está agora em modo de consolidação, reconectando-se com o mercado físico depois de um período de alta volatilidade, no qual os participantes da indústria ficaram divididos entre uma série de fatores macroeconômicos conflitantes.

Os profissionais acrescentaram, no entanto, que, apesar do tom mais forte no mercado durante as duas últimas sessões, os investidores continuam nervosos enquanto esperam por notícias macroeconômicas mais claras para ditar a direção do mercado.

A China tem sido o foco principal do mercado, particularmente depois que dados de produção manufatureira e importações decepcionaram os participantes do mercado no início da semana.

Os atuais problemas da dívida soberana na Europa e, particularmente, a situação fiscal na Grécia, também foram vistos como um peso no mercado - embora alguns analistas e traders acreditem que esta não é atualmente a principal preocupação para os metais básicos.

Entre os outros metais básicos, o contrato do chumbo para três meses subiu US$ 32,00, para US$ 2.520,00 a tonelada, enquanto o do zinco aumentou US$ 55,00, para US$ 2.245,00 a tonelada. O contrato do alumínio teve alta de US$ 36,00, para US$ 2.540,00 a tonelada, enquanto o do níquel subiu US$ 460,00, para US$ 23.350,00 a tonelada. O contrato do estanho registrou elevação de US$ 495,00, para 27.695,00 a tonelada.

No mercado de metais preciosos, o ouro subiu pela quarta sessão consecutiva com a demanda por ativos considerados mais seguros, enquanto a prata manteve sua tendência de recuperação das mínimas registradas recentemente. O contrato futuro do ouro para junho subiu US$ 3,4, ou 0,22%, para US$ 1.526,70 por onça-troy, na Comex. O contrato da prata para julho avançou US$ 1,514, ou 4,19%, para US$ 37,642 por onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.