Metais básicos fecham em alta

Na rodada livre (kerb) de negócios da tarde na LME, os contratos de cobre com entrega para três meses fecharam com ganho de US$ 26,00 (0,31%), a US$ 8.333,00 por tonelada

Álvaro Campos, da Agência Estado,

22 de outubro de 2010 | 17h34

Os contratos de chumbo e zinco lideraram os ganhos dos metais básicos na Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), após a confirmação do fechamento de uma importante usina de fundição na China. O níquel e o estanho não acompanharam a tendência e fecharam em queda.

 

A terceira maior produtora de zinco da China, a Shenzhen Zhongjin Lingnan Nonfemet Co., disse em um comunicado que interrompeu a produção de chumbo e zinco de uma fundição em Shaoguan, na província de Guangdong, confirmando rumores do mercado. A Zhongjin afirmou que está cooperando com as autoridades locais em uma investigação sobre a presença da substância altamente tóxica tálio no Rio do Norte.

 

Na rodada livre (kerb) de negócios da tarde na LME, os contratos de cobre com entrega para três meses fecharam com ganho de US$ 26,00 (0,31%), a US$ 8.333,00 por tonelada. Na semana, o contrato acumulou queda de 0,80%. O chumbo hoje avançou US$ 45,00 (1,81%), para US$ 2.529,00 por tonelada. O zinco teve alta de US$ 37,50 (1,52%), a US$ 2.511,50 por tonelada. O alumínio registrou valorização de US$ 16,00, a US$ 2.365,00. Já o estanho perdeu US$ 50,00, a US$ 26.350,00 por tonelada. O níquel teve queda de US$ 350,00, a US$ 23.200,00 por tonelada.

 

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato de cobre com entrega para dezembro, que é o mais negociado, fechou com ganho de US$ 0,0155 (0,41%), a US$ 3,7970 por libra-peso. No acumulado da semana, o metal perdeu 1,09%. Os ganhos do cobre hoje não foram maiores porque o dólar ficou perto da estabilidade durante a sessão. O cobre, que é denominado em dólar, se beneficia quando a moeda norte-americana cai, já que fica mais barato para compradores que utilizam outras moedas. Alguns investidores também viram as recentes quedas do metal como uma oportunidade de compra.

 

O chumbo e o zinco já tinham subido fortemente ontem, quando a especulação sobre o fechamento da usina da Zhongjin começou. Entretanto, alguns analistas na China alertaram que o equilíbrio geral nos mercados de zinco e chumbo sofrerá apenas um pequeno impacto, já que o país tem amplos estoques para compensar essa perda.

 

Sem nenhum dado importante nos próximos dias, o mercado deve ficar de olho no resultado da reunião dos ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, que termina neste fim de semana na Coreia do Sul. Para Leon Westgate, analista do Standard Bank, os mercados de metais básicos provavelmente vão "adiar qualquer decisão importante ou ação agressiva" até a reunião de política monetária do Federal Reserve dos EUA, nos dias 2 e 3 de novembro.

 

A mineradora de cobre Freeport McMoRan Copper & Gold divulgou hoje que recebeu aprovação do governo do Congo para seu projeto de cobre no país. A empresa disse que planeja dobrar sua produção de Tenke Fungurume. Além disso, a disputa salarial envolvendo as operações da brasileira Vale em Voisey's Bay, no Canadá, que já dura 15 meses, provavelmente terá a interferência de uma comissão de inquérito industrial do governo do país, já que continua o impasse entre a administração da mineradora e entidades sindicais.

 

A LME divulgou hoje que os estoques de cobre armazenados nos galpões que monitora tiveram uma redução de 1.175 toneladas, para 368.825 toneladas. Os dados mais recentes sobre os estoques da Comex, divulgados ontem à tarde, tiveram uma redução de 485 toneladas curtas, para 76.277 toneladas curtas.

 

Entre os metais preciosos negociados na Comex, o ouro com entrega para dezembro fechou praticamente inalterado, com leve queda de US$ 0,50 (0,04%), a US$ 1.325,10 por onça-troy. Na semana, o contrato acumulou perda de 3,42%.

 

O metal ficou estável nesta sexta-feira com investidores esperando pelos resultados da reunião do G-20. "Um dos principais fatores que tem guiado o ouro recentemente é o dólar, e nós simplesmente não sabemos que tipo de comunicado oficial ou ideias vão sair do encontro do G-20", comentou Frank Lesh, analista de futuros da FuturePath Trading. Além disso, alguns analistas acreditam que muito do nervosismo em relação à chamada "guerra cambial" já foi absorvido pelo mercado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreourozinco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.