Metais básicos fecham em alta

Contratos do cobre encerraram com elevação de 2,5%, na LME, para US$ 9.577,00 a tonelada

Clarissa Mangueira, da Agência Estado ,

20 de abril de 2011 | 16h06

Os contratos futuros dos metais básicos fecharam em alta na London Metal Exchange (LME), recebendo suporte do rali das bolsas e do enfraquecimento do dólar, em meio a expectativas de ganhos adicionais nos próximos dias. O ouro ampliou sua série de recordes, embora tenha fechado de novo abaixo do nível de US$ 1.500 a onça-troy.

Os contratos do cobre para três meses encerraram com elevação de US$ 237,00, ou 2,5%, na LME, para US$ 9.577,00 a tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para maio fechou com ganho de US$ 0,1100, ou 2,60%, para US$ 4,3395 por libra-peso.

Com os feriados prolongados aproximando-se para os players do mercado do Reino Unido, o pouco volume de negócios nos próximos dias deverá manter os preços dos metais voláteis na LME, mas elevados, disseram analistas.

"O próximo período de feriado da Páscoa e do casamento real britânico significa que, para os mercados do Reino Unido, há apenas quatro dias de negociação até o fim do mês", disse Leon Westgate, analista do Standard Bank em nota. Fatores de final de mês, combinados com preocupações sobre a volatilidade na próxima semana, devem incentivar os players a reduzirem suas posições, acrescentou.

Entre os outros metais negociados na LME, o contrato do alumínio para três meses fechou com elevação de US$ 15,00, ou 0,6%, para US$ 2.729,00 a tonelada, um pouco baixo da máxima em dois anos e meio alcançada durante o dia, de US$ 2.745,00 a tonelada.

O contrato do níquel para três meses registrou o desempenho mais forte da sessão, encerrando com alta de US$ 1.100,00, ou 4,3%, para US$ 26.395,00 a tonelada.

Embora as relativas condições de falta de liquidez do mercado do níquel tenham a tendência de tornar o metal mais sensível aos movimentos de preços do complexo, uma queda acentuada nos estoques nos armazéns da LME durante os dois últimos dias "chamou a atenção do mercado", afirmaram analistas do Barclays Capital.

Os estoques do níquel recuaram 774 toneladas na terça-feira, para 118.212 toneladas, após caírem 1.002 toneladas na segunda-feira. Em contraste, os estoques do zinco aumentaram 26.500 toneladas, levando os estoques a totalizarem 812.100 toneladas, o maior nível desde 1995, "em linha" com as previsões de um grande superávit no mercado do metal, afirmou o banco.

Entre os outros metais negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses avançou US$ 55,00, para US$ 2.612,00 a tonelada, enquanto o do zinco aumentou US$ 26,00, para US$ 2.355,00 a tonelada. O contrato do estanho subiu para US$ 255,00, para US$ 32.650,00 a tonelada.

No mercado de metais preciosos, o contrato do ouro para abril fechou no patamar recorde de US$ 1.498,90 por onça-troy, com alta de US$ 3,80, ou 0, 25%, na Comex. Durante a sessão, o contrato atingiu uma nova máxima intraday de US$ US$ 1,502,90. Depois de renovar os recordes, o rali do ouro desacelerou no comércio da tarde, com os preços recuando abaixo do nível psicologicamente importante de US$ 1.500 por onça-troy, devido à uma realização de lucros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.