Metais básicos fecham em alta

Na Comex, o contrato do cobre para julho fechou em queda de 0,54%, em US$ 4,0130 por libra-peso

Paula Moura, da Agência Estado ,

24 de maio de 2011 | 16h48

Os contratos futuros do cobre negociados na London Metal Exchange (LME) fecharam em alta de quase 1% nesta terça-feira, depois de um avanço do euro sobre o dólar ajudar os metais a registrarem uma recuperação técnica. Um relatório otimista do banco de investimentos norte-americano Goldman Sachs contribuiu para aumentar a confiança nas perspectivas futuras para os mercados dos metais básicos.

O cobre abriu em alta no início das negociações na Europa após uma queda acentuada de 3% na segunda-feira, provocada pelo declínio nos dados de importação e produção do cobre na China, que colocaram em questão as perspectivas de demanda do maior consumidor mundial do metal.

Os profissionais disseram que o fortalecimento do euro, que se recuperou de perdas recentes ante o dólar em meio a uma melhora ampla do sentimento dos investidores por ativos de maior risco, e o relatório positivo do Goldman Sachs foram chaves para o avanço dos metais.

Embora as perspectivas a curto prazo continuem sombrias, com alguns atores do mercado prevendo uma correção futura dos metais básicos, os profissionais disseram que houve melhora evidente na confiança dos mercados durante a sessão, especialmente em relação ao cenário de médio prazo.

Em relatório para clientes, o Goldman Sachs falou positivamente da situação da demanda, afirmando que, para o segundo semestre de 2011, espera que a atividade "se expanda sequencialmente enquanto as pressões inflacionárias diminuem mesmo sob as previsões mais agressivas para os preços das commodities".

O banco alterou suas previsões de preços das commodities, inclusive elevando as projeções para o alumínio e do níquel, assim como recomendações de novas posições compradas para cobre e zinco.

A nota impulsionou alguns metais individualmente na LME, com o contrato do alumínio para três meses fechando em alta de 1,09%, ou US$ 26,00, em US$ 2.505,00 a tonelada; o do níquel terminou em alta de 2,23%, ou US$ 495,00, em US$ 22.895,00; e o do zinco em alta de sólidos 3,40%, ou US$ 71,00, em US$ 2.191,00.

Entre os outros metais negociados na LME, o contrato para três meses do estanho fechou em alta de US$ 550,00, em US$ 27.250,00, e o chumbo fechou em alta de US$ 39,00, em US$ 2.490,00.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para julho fechou em queda de US$ 0,0215, ou 0,54%, em US$ 4,0130 por libra-peso.

No mercado de metais preciosos, o contrato futuro do ouro para junho subiu US$ 7,9, ou 0,52%, para US$ 1.523,30 por onça-troy, na Comex. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.