Metais básicos fecham em alta

Cobre para três meses negociado na LME fechou em alta de 1,13%, a US$ 9.071,50 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado ,

28 de junho de 2011 | 16h49

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em alta, impulsionados pela apreciação do euro em relação ao dólar, que torna essas commodities mais baratas para os investidores europeus, e por expectativas cada vez maiores de que a Grécia aprovará as medidas de austeridade fiscal necessárias para a liberação da próxima tranche de recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia (UE).

"A Grécia novamente está dominando as manchetes, embora pareça bastante provável que a França e a Alemanha conseguirão fazer alguma coisa juntas para conduzir os gregos para fora disso", disse um operador de Londres.

O contrato do cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) fechou em alta de US$ 101,50, ou 1,13%, a US$ 9.071,50 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para julho subiu US$ 0,0405, ou 1,00%, para US$ 4,0920 por libra-peso.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses avançou US$ 17,00, para US$ 2.584,00 por tonelada, enquanto o do zinco teve ganho de US$ 22,00, para US$ 2.275,00 por tonelada. O contrato do alumínio fechou em alta de US$ 9,50, a US$ 2.519,50 por tonelada, enquanto o do níquel subiu US$ 500,00, para US$ 22.675,00 por tonelada. O contrato do estanho ganhou US$ 300,00 e encerrou o dia a US$ 25.375,00.

Uma proposta preliminar lançada por bancos franceses segundo a qual os credores privados aceitariam rolar parte da dívida da Grécia ajudou a reduzir a preocupação dos investidores com a votação do plano de austeridade fiscal grego, na quarta-feira.

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para agosto negociado na Comex fechou em alta de US$ 3,80, ou 0,25%, a US$ 1.500,20 por onça-troy, impulsionado por uma leve cautela em relação à votação do plano de austeridade fiscal da Grécia. "Todos estão esperando a decisão e o mercado está devagar", disse um operador. "Com os mercados tão voláteis, é difícil imaginar como o ouro vai reagir", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.