Metais básicos fecham em alta com volta da confiança

Após três dias de alta, o ouro fechou com leve queda em NY

Álvaro Campos, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 15h45

A forte recuperação do euro e a alta dos mercados de ações impulsionaram os preços dos metais básicos na London Metal Exchange (LME). Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde, os contratos de chumbo com entrega para três meses fecharam em alta de US$ 92, ou 5,3%, a US$ 1.843,00 por tonelada métrica. O cobre subiu US$ 205,00, para US$ 6.983,00. Mas o metal chegou à máxima intraday de US$ 7 mil a tonelada métrica, sua máxima em quase dois anos. O zinco teve alta de US$ 50, para US$ 1.940,00. O alumínio ganhou US$ 49,50, a US$ 2.064,00. O níquel subiu US$ 635,00, para US$ 21.750,00. O estanho avançou US$ 435,00, para US$ 17.985,00.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange, os contratos de cobre com entrega para julho, que foram os mais negociados, subiram US$ 0,078, ou 2,5%, para fechar em US$ 3,1585 por libra peso.

O retorno da confiança nos mercados não afastou os receios em relação à zona do euro, que abalaram os mercados na semana passada. Mas, embora ainda exista a preocupação de que o aperto fiscal na zona do euro e sua fraca perspectiva de crescimento possam arrastar para baixo a economia global, ela está muito menor do que há alguns dias, disse o analista de metais Robin Bhar, da Calyon.

Com os dados da economia global melhorando e previsões de uma recuperação sustentável, os preços dos metais devem permanecer atrativos para os investidores, afirmou Bhar. "Esses níveis devem oferecer oportunidades de compra muito boas."

Em outro indicativo de que a demanda deve subir, os estoques de cobre armazenados nos depósitos monitorados pela LME caíram 1.275 toneladas métricas nesta quinta-feira, para 477.775 toneladas. Segundo o dado mais recente da Comex, divulgado na tarde de quarta-feira, os estoques subiram 114 toneladas curtas, a 101.472 toneladas.

Ainda assim, os volumes negociados na LME foram relativamente baixos, sugerindo que os participantes do mercado ainda não estão completamente convencidos de que uma recuperação está garantida, afirmou em nota o Standard Bank. O banco disse que o cobre na China está sendo negociado com um prêmio em relação ao cobre da LME, acrescentando que a recente queda nos preços tem estimulado os consumidores a comprar.

Ouro cede em NY

Entre os metais preciosos, o ouro fechou com leve queda na Comex. A perda interrompeu uma sequência de três dias de alta, pois algumas das recentes demandas por ativos considerados portos seguros diminuíram. As bolsas, o euro e a maioria das commodities subiram quando a China indicou que não está revendo ou planejando se livrar de bônus de países da zona do euro. "Isso está tirando parte do prêmio de risco do ouro, então devemos observar agora uma pequena fraqueza se encaminhando em direção a esse metal", disse Michael Gross, corretor e analista da OptionSellers.com, em Tampa (Flórida). "Essas compras devem se dirigir para outros ativos de maior risco".

Ainda assim, a tendência de alta dos contratos de ouro de longo prazo deve permanecer, já que "a crise da dívida da Europa não vai simplesmente desaparecer de um dia para o outro", afirma Gross. Os contratos com entrega para junho fecharam em queda de US$ 1,50, a US$ 1.211,90 por onça-troy, enquanto os contratos de agosto perderam US$ 0,90, para US$ 1.214,40. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreníquelouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.