Metais básicos fecham em alta em Londres

Contrato para três meses do cobre na LME fechou em US$ 9.400 a tonelada, alta de 0,6%

Regina Cardeal e Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2010 | 17h57

Os metais básicos fecharam em alta na London Metal Exchange (LME). O mercado londrino, que havia ficado fechado desde o feriado de Natal, buscou alcançar os níveis maiores de preços das praças dos EUA e da China que funcionaram nos últimos dias. Em Nova York, porém, os preços do cobre caíram.

O contrato para três meses do cobre na LME fechou em US$ 9.400 a tonelada, alta de 0,6% em relação ao kerb (rodada livre de negócios) da tarde de sexta-feira, após atingir a máxima recorde de US$ 9.447 durante a manhã. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para março fechou em baixa de US$ 0,0165, ou 0,38%, a US$ 4,3115 por libra-peso, após ter tocado uma nova máxima histórica intraday, de US$ 4,3320 por libra-peso.

"Os metais se firmaram durante esta semana de feriados e os preços da LME agora dispararam para se equiparar" aos outros mercados, disse o analista Ed Meir, da corretora MF Global. Os volumes baixos de transações, que exacerbam o movimento de preços, e dados econômicos animadores catapultaram os futuros de cobre na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), a recordes de alta nos fechamentos de segunda e terça-feira.

O zinco e o chumbo tiveram desempenho particularmente bom na LME. O zinco foi favorecido pelo posicionamento dos participantes do mercado antes do reequilíbrio anual dos índices de commodities.  O Standard & Poor's Goldman Sachs Commodity Index e o Dow Jones UBS Commodity Index alteram sua composição sempre em janeiro.

O euro mais forte e os mercados de ações em alta também ajudaram a melhorar o sentimento dos investidores.

Meir disse que, apesar do tom resistente de diversos metais, poderá ocorrer uma correção moderada nas próximas semanas, quando muitos corretores e investidores voltarem ao trabalho. "Investidores podem olhar para o cenário de 2011 e não necessariamente gostar do que vão ver", afirmou.

O cobre, no entanto, continua sendo sustentado por fortes fundamentos, disseram analistas, que esperam um aumento no déficit do mercado. A produção de cobre do Chile caiu 0,3% para 467.478 toneladas métricas em novembro, de 468.788 toneladas produzidas no mesmo mês de 2009, segundo o instituto de estatísticas do governo INE, que atribuiu o declínio a uma greve em Doña Inés de Collahuasi, uma das maiores minas de cobre do país.

Entre os metais preciosos, os preços dos contratos futuros do ouro para fevereiro negociados na Comex subiu US$ 7,90, ou 0,56%, para US$ 1.413,50 por onça-troy. "Tivemos muito mais entrada de investimentos", disse o analista Jimmy Tintle, da Transworld Futures.

O ouro em Nova York está sendo beneficiado pelo aumento no número de negócios sendo realizados na Comex, já que em outras regiões os mercados não funcionaram recentemente. O número de contratos do metal em aberto na Comex subiu para 602.709 lotes na terça-feira, de 583.153 lotes na segunda-feira. Aumentos no número de contratos em aberto indicam que os investidores estão assumindo novas posições no mercado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.