Metais básicos fecham em alta em Londres

Na LME o contrato do cobre para três meses fechou em alta de 1,23%, a US$ 9.440,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2011 | 18h34

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em alta, impulsionados pela perspectiva de manutenção de uma política monetária frouxa por parte do Federal Reserve (Fed, banco central americano) e pela fraqueza do dólar, que torna as commodities denominadas na moeda norte-americana mais baratas para os detentores de outras divisas. Pouco após o fechamento do mercado de metais básicos, o euro subia 0,1%, para US$ 1,3703.

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME) o contrato do cobre para três meses fechou em alta de US$ 115,00, ou 1,23%, a US$ 9.440,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para março subiu US$ 0,0715, ou 1,68%, para US$ 4,3385 por libra-peso.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em alta de US$ 44,00, a US$ 2.419,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco recuou US$ 18,00, para US$ 2.260,00 por tonelada. O contrato do alumínio subiu US$ 40,00, para US$ 2.427,00 por tonelada. O contrato do níquel teve ganho de US$ 20,00 e encerrou o dia a US$ 26.495,00 por tonelada.

O contrato do estanho fechou em alta de US$ 475,00 a US$ 29.075,00 por tonelada, mas ao longo da sessão tocou o recorde de US$ 29.300,00 por tonelada. Apesar disso, segundo analistas do Barclays Capital, o aumento nos estoques do metal na LME e a notícia de normalização das atividades na principal região produtora da Indonésia após um período de condições climáticas adversas podem frear a valorização do estanho.

"Há muitos fatores persuasivos para acreditar que as condições atuais oferecem justificativas suficientes para uma consolidação nos preços antes de uma tentativa sustentável de romper a barreira dos US$ 30 mil por tonelada", acrescentaram.

Os estoques de estanho nos armazéns da LME estão atualmente em 17.720 toneladas, acumulando alta de 2,6% na semana.

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para fevereiro negociado na Comex caiu US$ 14,60, ou 1,09%, para US$ 1.318,40 por onça-troy.

O metal começou o dia em território positivo, diante de dados que mostraram um declínio inesperado nas encomendas de bens duráveis dos EUA e um aumento no número de pedidos de auxílio-desemprego no país. Os indicadores reforçaram a percepção de que o Federal Reserve vai manter a política monetária acomodatícia que empurrou os preços do ouro para um nível recorde no ano passado.

Ao longo da sessão, no entanto, os investidores passaram a se concentrar na série predominantemente positiva de dados econômicos divulgados desde o final do ano passado e no avanço do índice Dow Jones para além dos 12 mil pontos recentemente, o que pesou sobre o ouro. "Essa é uma história que estimula os gerentes de ativos a retornarem para os mercados de ações", disse George Gero, vice-presidente da RBC Capital Markets Global Futures. As informações são da Dow Jones. (Gustavo Nicoletta)

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.