Metais básicos fecham em baixa mas acima das mínimas

Contratos de cobre têm leve alta, enquanto os de ouro registram desvalorização

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

22 de março de 2010 | 16h14

Os contratos futuros de metais básicos fecharam em baixa na London Metal Exchange (LME), mas acima das mínimas intraday com ajuda da reação positiva dos mercados de ações americanos à aprovação do projeto de reforma da saúde na Câmara dos Representantes dos EUA no final da semana.

Traders disseram que os ganhos nos mercados de ações forçaram uma reversão nas trocas euro/dólar - com o euro se recuperando para acima de US$ 1,35 - e aqueles que tinham assumido posições vendidas a descoberto mais cedo tiveram de cobrir aquelas posições.

O cobre recuperou as perdas intraday e subiu 1,9% em comparação a mínima do dia. No encerramento da rodada livre de negócios (kerb) da tarde, os contratos de cobre para três meses subiram US$ 13,00 (0,17%) e fecharam a US$ 7.445,00 por tonelada.

Os demais metais fecharam em leve baixa: os contratos de alumínio para três meses caíram US$ 3,00 e fecharam a US$ 2.255,00 por tonelada; os contratos de chumbo para três meses recuaram US$ 33,00 e fecharam a US$ 2.162,00 por tonelada; os contratos de zinco para três meses caíram US$ 17,00 e fecharam a US$ 2.277,00 por tonelada; os contratos de níquel para três meses recuaram US$ 150,00 e fecharam a US$ 22.275,00 por tonelada; os contratos de estanho para três meses caíram US$ 95 e fecharam a US$ 17.550,00 por tonelada.

 

A aprovação da reforma do setor de saúde nos EUA deu impulso as ações, com os investidores vendo a votação com alívio por remover uma incerteza política que poderia afetar a economia. O maior apetite por risco entre os investidores americanos ajudou a compensar as preocupações sobre a dificuldade da União Europeia a chegar a uma consenso sobre um pacote de ajuda para a endividada Grécia.

Os dados sobre os estoques na LME deram um modesto suporte ao cobre e ao alumínio. Os estoques de cobre encolheram em 900 toneladas para seu menor nível desde 13 de janeiro, para 522.075 toneladas.

Entre outras notícias, o Instituto Internacional de Alumínio disse que a produção mundial do metal caiu 8,4% em fevereiro em comparação com janeiro, para 1.825 milhão de toneladas, a menor produção mensal em mais de um ano.

No mercado de chumbo, a Doe Run Co, uma das maiores produtoras do mundo, disse que vai aumentar sua produção de chumbo em 11% em 2010 e que prevê uma recuperação gradual na demanda pelo metal.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos futuros de cobre também reverteram as perdas iniciais e fecharam em leve alta, refletindo o recuo do dólar e alta das ações com a melhora no apetite por risco, segundo traders e analistas.

 

Os contratos de cobre para maio - os mais líquidos - subiram US$ 0,0080 (0,24%) e fecharam a US$ 3,3805 por libra peso.

Por outro lado, os futuros de ouro negociados na Comex não conseguiram zerar todas as perdas sofridas com a alta inicial do dólar frente ao euro. Observadores disseram que alguns participantes do mercado estavam hesitantes em comprar ao redor dos níveis atuais de preço, com eles preferindo aguardar um recuo adicional e uma oportunidade melhor de compra.

Os contratos de ouro para abril - os mais líquidos - caíram US$ 8,10 (0,73%) e fecharam a US$ 1.099,50 por onça-troy, depois de terem registrado o menor nível em três semanas de US$ 1.092,10 por onça-troy na mínima intraday. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreníquelouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.