Metais básicos fecham em queda

Na rodada livre de negócios na LME, o contrato do cobre para três meses caiu 1,24%, para US$ 7.059,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

27 de julho de 2010 | 16h01

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em queda, pressionados pela realização de lucros. Já o preço dos contratos futuros do ouro registrou declínio superior a 2% e encerrou o pregão no menor nível desde 26 de abril, refletindo o apetite dos investidores por ativos de maior risco, como as ações.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME), o contrato do cobre para três meses caiu US$ 89,00, ou 1,24%, para US$ 7.059,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para setembro recuou US$ 0,0165, ou 0,51%, para US$ 3,2065 por libra-peso, com mínima de US$ 3,1760 e máxima de US$ 3,2365 ao longo da sessão.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em baixa de US$ 34,00 a US$ 1.976,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco caiu US$ 45,00, para US$ 1.908,00 por tonelada. O contrato do alumínio ficou estável em US$ 2.056,00 por tonelada, enquanto o contrato do níquel perdeu US$ 250,00, para US$ 20.545,00 por tonelada. O contrato do estanho fechou em queda de US$ 30,00, a US$ 19.320,00 por tonelada.

 

Analistas sugeriram que os atuais preços dos metais básicos são "irreais" levando em conta as preocupações relacionadas à recuperação da economia nos EUA, na Europa e em outras regiões. Outros, como Edward Meir, da MF Global, acreditam que o recuo do mercado terá vida curta.

 

"Provavelmente veremos mercados relativamente estáveis por um certo período. Ainda esperamos uma queda nos próximos dias, mas qualquer declínio provavelmente será visto como uma oportunidade para compras, principalmente se os números macroeconômicos dos EUA vierem melhor do que o previsto", avaliou Meir, acrescentando que o principal indicador dessa semana será a leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano do segundo trimestre, que deve ser divulgado na sexta-feira.

 

Segundo o analista Leon Westgate, do Standard Bank, embora os preços dos metais básicos tenham caído hoje, eles aparentemente migraram para uma faixa de oscilação mais alta.

 

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para agosto negociado na Comex caiu US$ 25,10, ou 2,12%, para US$ 1.159,50 por onça-troy. "Parece que os mercados de ativos estão se estabilizando", disse Michael Gross, corretor e analista da OptionSellers.com. "O dinheiro que foi para o ouro em busca de abrigo" está voltando para os mercados considerados mais arriscados.

 

Para o analista Daniel Briesemann, do Commerzbank, "o sentimento geral está pesando sobre os preços". A fraqueza do ouro começou depois da divulgação dos índices de preços de residências da S&P/Case Shiller. O índice de preços de imóveis residenciais em 20 cidades dos EUA subiu 1,3% em maio ante abril, enquanto índice de preços de imóveis em 10 cidades aumentou 1,2% na mesma base de comparação. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaislmecobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.