Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Metais básicos fecham em queda

Na rodada livre de negócios da tarde da LME, o contrato do cobre para três meses subiu 0,11%, para US$ 7.390,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

18 de agosto de 2010 | 14h59

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em baixa, em sua maioria, embora os contratos do cobre tenham encerrado o dia em leve alta, numa sessão em que a escassez de indicadores e a volatilidade dos mercados de ações deixaram os investidores em dúvida sobre em que apostar.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME), o contrato do cobre para três meses subiu US$ 8,00, ou 0,11%, para US$ 7.390,00 por tonelada, embora perto do final do pregão os preços tenham recuado para a mínima intraday de US$ 7.310 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para dezembro avançou US$ 0,0120, ou 0,36%, para US$ 3,3705 por libra-peso, com mínima de US$ 3,3275 e máxima de US$ 3,3745 ao longo da sessão.

 

"Foi um dia completamente errático", disse um analista de Londres. "Nesta tarde, o cobre aparentemente rumava para um fechamento ruim, mas veja onde ele foi parar. Parece não haver motivo para alguns desses movimentos, o mercado está realmente indeciso", acrescentou.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em queda de US$ 7,00, a US$ 2.123,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco subiu US$ 11,00, para US$ 2.134,00 por tonelada. O contrato o alumínio recuou US$ 35,00, para US$ 2.105,00 por tonelada, enquanto o contrato do níquel perdeu US$ 100,00, para US$ 21.850,00 por tonelada. O contrato do estanho fechou em baixa de US$ 325,00, a US$ 20.975,00 por tonelada.

 

"As ações ficaram sob pressão após a abertura, mas se recuperaram posteriormente. O motivo para a onda de vendas aparentemente foi o movimento nos preços do ouro", afirmou o analista Leon Westgate, do Standard Bank em Londres. O valor do metal precioso no mercado à vista recuou para uma mínima intraday de US$ 1.216,00 por onça-troy por volta das 10h30 (de Brasília) diante da realização de lucros. Desde então, houve uma recuperação e, às 14h50 (de Brasília), o ouro no mercado à vista operava em alta de 0,36%, a US$ 1.230,15 por onça-troy.

 

Na Comex, o contrato do ouro para dezembro fechou em alta de US$ 3,10, ou 0,25%, a US$ 1.231,40 por onça-troy, com mínima de US$ 1.218,90 e máxima de US$ 1.234,40 ao longo da sessão. Para o analista Dan Cook, do IG Markets, os movimentos nos preços do ouro neste mês foram pouco acentuados por conta da incerteza relacionada à perspectiva da economia. "Não há convicção de longo prazo no mercado atualmente", avaliou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.