Metais básicos fecham em queda

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em baixa de US$ 40,00, a US$ 2.395,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

19 de outubro de 2010 | 18h33

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em queda, reagindo à inesperada decisão do banco central da China de elevar as taxas de juro de depósitos e empréstimos em 0,25 ponto porcentual pela primeira vez desde dezembro de 2007.

 

A medida subverteu a estratégia de negociação consolidada recentemente pelos investidores, de vender dólares e comprar outros ativos de maior retorno, em meio à expectativa de novas medidas de afrouxamento monetário nos EUA. Agora, o dinheiro está voltando para ativos considerados seguros - caso da moeda norte-americana. "No curto prazo, achamos que o anúncio dos juros na China é importante e que ele trará condições incertas nos próximos dias", disse o analista Ed Meir, da MF Global.

 

c, com mínima intraday de US$ 8.199,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato do cobre para dezembro recuou US$ 0,0975, ou 2,53%, para US$ 3,7575 por libra-peso, com mínima de US$ 3,7300 e máxima de US$ 3,8675 ao longo da sessão.

 

A decisão da China, segundo um operador do mercado físico, pode reduzir o ritmo de crescimento do país e, dessa forma, diluir a expectativa de escassez de cobre no ano que vem, visto que os chineses são o maiores consumidores mundiais do metal. "Toda a ideia do déficit é baseada em um aumento sensível na demanda em relação à produção. De onde virá a força na economia mundial que puxará esse aumento na demanda?", questionou. "Diante do que estamos vendo na China, é difícil enxergar como eles terão o crescimento no consumo que as pessoas estão esperando."

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em baixa de US$ 40,00, a US$ 2.395,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco caiu US$ 33,00, para US$ 2.392,00 por tonelada. O contrato

do alumínio recuou US$ 55,00, para US$ 2.355,00 por tonelada. O contrato do níquel perdeu US$ 330,00 e encerrou o dia a US$ 23.475,00 por tonelada, enquanto o contrato do estanho fechou em baixa de US$ 750,00, a US$ 25.850,00 por

tonelada.

 

No segmento dos metais preciosos, o contrato do ouro para dezembro negociado na Comex caiu US$ 36,10, ou 2,63%, para US$ 1.336,00 por onça-troy, com mínima de US$ 1.332,50 e máxima de US$ 1.371,70 ao longo da sessão. Segundo analistas, o ouro também reagiu à decisão do banco central chinês sobre os juros, mas foi atingido por vendas de investidores que precisavam cobrir perdas em outros mercados, como o de ações. A realização de lucros também pesou sobre o metal, cujos preços operavam perto de um nível recorde.

 

"Todos estão vendendo", disse Craig Ross, vice-presidente da corretora ApexFutures.com. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.