Metais básicos fecham em queda

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da LME, o contrato do cobre para três meses caiu 0,38%, para US$ 8.307,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado ,

21 de outubro de 2010 | 17h39

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em queda, em sua maioria, pressionados no final da sessão pela recuperação do dólar ante outras moedas, como o euro. Os únicos metais que tiveram alta no preço foram o zinco e o chumbo, em meio a relatos - ainda sem confirmação - de que uma fundição da Shenzhen Zhongjin Lingnan Nonfernet foi fechada na China. A unidade seria responsável por 6% da produção de zinco e por 3% da produção de chumbo do país.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), o contrato do cobre para três meses caiu US$ 32,00, ou 0,38%, para US$ 8.307,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato do cobre para dezembro recuou US$ 0,0120, ou 0,32%, para US$ 3,7815 por libra-peso, com ínima de US$ 3,7655 e máxima de US$ 3,8500 ao longo da sessão.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em alta de US$ 39,00, a US$ 2.484,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco subiu US$ 35,00, para US$ 2.474,00 por tonelada. O contrato do alumínio recuou US$ 13,00, para US$ 2.349,00 por tonelada. O contrato do níquel perdeu US$ 395,00 e encerrou o ia

a US$ 23.550,00 por tonelada, enquanto o contrato do estanho fechou em baixa de US$ 325,00, a US$ 26.400,00 por tonelada.

 

Os participantes do mercado descreveram a sessão de hoje como volátil. Os indicadores divulgados nos EUA pintaram um quadro misto sobre a economia, apresentando um declínio maior que o esperado no número de pedidos de auxílio-desemprego na semana passada, dados decepcionantes sobre a atividade na região da Filadélfia e uma leitura em linha com a esperada para o índice de indicadores antecedentes do Conference Board.

 

A volatilidade também estava presente no mercado de moedas, segundo analistas, em meio às especulações a respeito de um potencial anúncio de acordo cambial pelos países do G-20 amanhã ou no sábado. Pela manhã, o euro estava a US$ 1,4026, de US$ 1,3950 na quarta-feira, mas perto do horário de fechamento dos mercados de metais operava a US$ 1,3942. A alta do dólar torna as commodities denominadas na divisa norte-americana mais caras para os detentores de outras moedas.

 

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para dezembro negociado na Comex fechou em baixa de US$ 18,60, ou 1,38%, a US$ 1.325,60 por onça-troy, pressionado pela apreciação do dólar e pela realização de lucros, já que os preços subiram cerca de 14% desde julho.

 

"Há um pouco de realização de lucros, mas o mercado teve um tremendo avanço", disse Stephen Platt, analista da Archer Financial Services. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.