Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Metais básicos fecham em queda

Cobre fechou com queda de 2%, para US$ 9.220,00 a tonelada

Clarissa Mangueira, da Agência Estado ,

18 de abril de 2011 | 16h02

Os contratos futuros dos metais básicos fecharam em queda na London Metal Exchange (LME), depois que a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) reduziu a perspectiva do rating de crédito soberano dos EUA de estável para negativa, provocando uma fuga dos investidores de ativos considerados arriscados. A aversão ao risco beneficiou o ouro, que fechou num novo patamar recorde.

O contrato do cobre para três meses fechou com queda de US$ 184,00, ou 2%, para US$ 9.220,00 a tonelada, seu preço de fechamento mais baixo em mais de um mês. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para maio caiu US$ 0,0595, ou 1,40%, para US$ 4,1980 por libra-peso.

Segundo Dan Smith, analista da Standard Chartered, a China também não tem oferecido muito suporte no momento para o cobre. "É um período de teste para a história do metal básico", destacou.

O Banco do Povo da China (PBOC, em inglês) anunciou no domingo que elevou a taxa do compulsório bancário em 0,50 ponto porcentual, para 20,5%, um sinal baixista para os metais, que ganharam grande parte do seu sucesso recente com o apetite insaciável do maior consumidor de matérias-primas do mundo. A medida entra em vigor na quinta-feira.

As perdas mais significativas do dia foram registradas pelo chumbo, que atingiu um mínima em quase um mês, de US$ 2.520,00 a tonelada, durante o pregão. O contrato do metal para três meses caiu US$ 122,00, ou 4,6%, e encerrou em US$ 2.528,00 a tonelada. A queda do chumbo foi exagerada não somente pela falta de liquidez do mercado - o que torna qualquer mudança ampla no complexo mais aparente no metal -, mas também pelos aumentos recentes dos estoques, disseram analistas.

Os estoques do chumbo nos armazéns da LME subiram 4.700 toneladas, para 291.775, na sexta-feira, o maior nível em quase seis meses.

Entre os outros metais do complexo, o contrato do chumbo para três meses caiu US$ 72,00, para US$ 2.325,00, enquanto o do alumínio recuou US$ 21,00, para US$ 2.673,00. O contrato do níquel perdeu US$ 645,00, para US$ 25.505,00, enquanto o estanho declinou US$ 750,00, para US$ 32.350,00.

No mercado de metais preciosos, o ouro encerrou numa nova máxima histórica, impulsionado pela busca dos investidores por segurança após a decisão da S&P sobre o rating da divida soberana dos EUA. O contrato do metal para junho avançou US$ 6,90, ou 0,46%, e encerrou em US$ 1.492,90 por onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouroS&P

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.