Metais básicos fecham sem direção comum

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da LME, o contrato do cobre para três meses caiu 0,08%, para US$ 8.510,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

26 de outubro de 2010 | 17h54

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam sem direção comum, divididos pelos indicadores mistos sobre a economia dos EUA e pressionados pelo leve fortalecimento do dólar.

 

Um operador de Londres disse que a perspectiva dos investidores para os metais básicos ainda é amplamente positiva, embora não haja apetite para impulsionar os preços no momento.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), o contrato do cobre para três meses caiu US$ 7,00, ou 0,08%, para US$ 8.510,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato do cobre para dezembro avançou US$ 0,0060, ou 0,16%, para US$ 3,8690 por libra-peso, com mínima de US$ 3,8395 e máxima de US$ 3,8930 ao longo da sessão.

 

A BlackRock Asset Management International notificou os reguladores norte-americanos hoje que pretende lançar um fundo com cotas negociáveis em bolsa focado no mercado físico de cobre. O Goldman Sachs armazenará o metal, de acordo com um documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC).

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em alta de US$ 9,00, a US$ 2.593,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco avançou US$ 50,00, para US$ 2.615,00 por tonelada. O contrato do alumínio subiu US$ 17,50, para US$ 2.389,50 por tonelada. O contrato do níquel perdeu US$ 255,00 e encerrou o dia a US$ 23.295,00 por tonelada, enquanto o contrato do estanho fechou em baixa de US$ 225,00, a US$ 26.650,00 por tonelada.

 

Mais cedo, o Conference Board divulgou que seu índice de confiança do consumidor subiu, superando as expectativas de analistas consultados pela Dow Jones. Apesar disso, os preços de moradias nas 20 maiores metrópoles dos EUA recuaram 0,2% em agosto ante julho, segundo a pesquisa S&P/Case-Shiller.

 

No segmento dos metais preciosos, o contrato do ouro para dezembro recuou US$ 0,30, ou 0,02%, para US$ 1.338,60 por onça-troy, pressionado levemente pela apreciação do dólar em relação a outras moedas fortes e pelo aumento na confiança do consumidor norte-americano. "Tivemos um recuo do euro e esse parece ter sido o principal fator por trás do declínio do ouro", disse James Steel, analista de metais do HSBC. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.