Metais básicos fecham sem direção única

Entre os metais preciosos, o ouro fechou em queda

Danielle Chaves, da Agência Estado,

24 de junho de 2011 | 16h19

O cobre fechou em alta na London Metal Exchange (LME), mas o desempenho dos outros metais básicos foi divergente, depois que indicadores positivos divulgados hoje foram contrabalançados por preocupações com o setor bancário da Itália.

O cobre para três meses encerrou a sessão na LME a US$ 9.040 por tonelada, uma alta de 0,9% sobre o fechamento de ontem. Na Comex, o cobre para julho terminou o dia em alta de 1,4%, a US$ 4,0985 por libra-peso.

Na LME, o níquel subiu US$ 25,00, para US$ 22.150 por tonelada, e o chumbo avançou US$ 27,00, para US$ 2.575 por tonelada. Por outro lado, o alumínio caiu US$ 8,00, para US$ 2.500 por tonelada; o zinco recuou US$ 6,00, para US$ 2.254 por tonelada; e o estanho cedeu US$ 220,00, para US$ 24.975 por tonelada.

O dado melhor do que o esperado sobre a confiança do empresariado da Alemanha e a notícia de que os líderes europeus endossaram uma extensão do plano de austeridade da Grécia ajudaram a impulsionar os metais no começo do dia. Nos EUA, a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano foi revisada levemente para cima e as encomendas de bens duráveis mostraram em maio uma recuperação, surpreendendo os economistas.

Como os metais básicos são amplamente usados nos setores de construção e manufatura, os investidores veem essas notícias como sinal de demanda futura.

No entanto, os mercados acabaram sendo afetados negativamente pela suspensão dos negócios com ações de vários bancos italianos. As ações caíram fortemente na Bolsa de Milão após a Moody's ter colocado, ontem, os ratings de 16 instituições em revisão para possível rebaixamento. O avanço do dólar sobre o euro colaborou para limitar os ganhos dos metais.

Entre os metais preciosos, o ouro fechou em queda. Apesar de ser considerado um refúgio em momentos de tensão nos mercados, o metal foi vendido pelos operadores para levantarem dinheiro para cobrirem perdas em outros investimentos. O contrato para agosto recuou US$ 19,60, ou 1,3%, e fechou aos US$ 1.500,90 por onça-troy na Comex. O contrato para junho caiu US$ 19,50, ou 1,3%, para US$ 1.500,50 por onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.