Metais básicos operam em queda

Os contratos futuros de metais básicos operam em queda nesta quarta-feira, com o enfraquecimento no mercado de petróleo contagiando as commodities industriais. Além disso, o resultado ruim no setor de serviços também acelera o movimento.

AE, Estadão Conteúdo

05 de novembro de 2014 | 09h49

"O gatilho para a grande onda de vendas não estava totalmente claro, no entanto, parece que os preços mais fracos do petróleo, após a decisão da Saudi Aramco de cortar seu preço de óleo entregue para os EUA [apesar do aumento dos preços para a Ásia], tiveram algum impacto [em metais básicos]", disse o analista Leon Westgate, do Standard Bank.

A tendência de queda também é direcionada pelo índice de gerentes de compras (PMI) do setor de serviços da China, que caiu para 52,9 pontos em outubro, de 53,5 pontos em setembro, segundo dados do HSBC. Visto que a China é a maior consumidora de metais do mundo, os preços tendem a refletir de perto a situação econômica do país. Quando a economia parece estar se enfraquecendo, a demanda tende a cair e os preços de metais recuam.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses recuava 1,2%, para US$ 6.566,00 por tonelada, no meio da manhã o comércio europeu. O alumínio cedia 1,7%, a US$ 2.026,50 por tonelada, o zinco perdia 1,8%, a US$ 2.211,75 por tonelada, o níquel tinha queda de 0,8%, a US$ 15.159,00 por tonelada, o chumbo registrava desvalorização de 1,6%, a US$ 1.973,50 por tonelada, e o estanho recuava 1,0%, para US$ 19.400,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para dezembro recuava 1,37%, a US$ 2,9770 por libra-peso, às 9h45 (de Brasília). Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
mundometais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.