Metais básicos sobem após comentário do banco chinês

Commodities metálicas se recuperam, sustentadas pelo comportamento positivo das ações na Ásia

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

28 de julho de 2010 | 09h07

Os metais básicos recuperam-se em Londres, sustentados pelo comportamento positivo das ações na Ásia e melhora no apetite dos investidores por ativos de maior risco, com base em percepção positiva para a recuperação econômica global. Mas analistas continuam advertindo para a existência de "nuvens negras no horizonte".

Participantes do mercado disseram que o bom humor foi embalado pelas considerações do Banco do Povo da China sobre as perspectivas econômicas do país, que, de acordo com o banco central sustentam bons fundamentos. O BC disse haver pequeno risco de recessão de duplo mergulho e que a recente desaceleração no ritmo do crescimento é positiva para o crescimento sustentável no longo prazo.

O movimento ascendente dos metais foi iniciado na Ásia e em Londres o cobre atingiu sua maior cotação em quase 12 semanas, a US$ 7.198,00 a tonelada. O alumínio e o zinco também atingiram suas maiores cotações desde o final de maio, enquanto o estanho seguiu forte ao redor de sua maior cotação em dois anos.

Às 8h (de Brasília), o contrato para três meses do cobre operava a US$ 7,165,00 a tonelada, alta de 1,5%, do alumínio subia 0,7% para US$ 2.072,00 a tonelada, o estanho avançava 1% para US$ 19.525,00 a tonelada e o chumbo avançava 0,8% para US$ 1.996,00 a tonelada.

Às 9h01 (de Brasília), o cobre para setembro subia 1,28% para US$ 3,2480 por libra peso na plataforma eletrônica da Comex, divisão da Nymex, em Nova York.

No entanto, os analistas advertem que a alta estabelecida pelos metais não é realista, particularmente diante do elevado número de incertezas no cenário econômico global. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.