Metais básicos sobem com recuperação do euro

Em Nova York, às 8h25, o cobre para julho subia 2,28%, para US$ 3,0095 por libra-peso

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

21 de maio de 2010 | 08h46

Os contratos dos metais básicos operam em alta, na sua maioria, na London Metal Exchange (LME), acompanhando a recuperação do euro ante o dólar. No entanto, os traders estão apostando pouco nesse movimento de alta, preocupados que a moeda europeia possa reassumir seu declínio contra o dólar e que as bolsas mundiais possam se tornar instáveis.

 

Por volta das 7h30 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na LME operava a US$ 6,654 por tonelada, um aumento de US$ 45 sobre o fechamento de ontem. Em Nova York, às 8h25 (de Brasília), o cobre para julho subia 2,28%, para US$ 3,0095 por libra-peso, na Comex.

 

"A estabilidade do euro deu algum espaço para os metais se recuperarem", disse um operador em Londres. Mas qualquer recuperação merece cautela, dada a perspectiva pessimista sobre a economia global e a volatilidade nos mercados", acrescentou.

 

Os baixos volumes que acompanham a recuperação dos preços dos metais básicos nesta sexta-feira são um sinal preocupante de que mais perdas poderão ocorrer mais à frente, disse Malcolm Freeman, diretor executivo da Ambrian Partners.

 

A liquidação dessa semana registrou pesados volumes de transações, indicando a recuperação desta sexta-feira pode ser apenas alguns vendidos fechando posições ou alguns traders fazendo apostas de curto prazo sobre a recuperação do euro. "Nós vimos uma alta de correção", disse Freeman.

 

É provável que o mercado físico desacelere quando começar o verão, colocando pressão adicional sobre os metais básicos, acrescentou o executivo, sugerindo que o cobre pode cair para até US$ 6.230,00 por tonelada.

 

Dados divulgados pela alfândega chinesa mostraram que as importações do país de cobre refinado recuaram 2,7% em abril, em bases anuais, para 309.772 toneladas, enquanto as de cobre concentrado subiram 17%, para 606.091 toneladas.

 

O contrato do alumínio para três meses negociado na LME registrava os maiores ganhos, subindo US$ 31,00, para US$ 2.022,00 por tonelada.

 

O contrato do zinco para três meses avançava US$ 1,00, para US$ 1.875,00 por tonelada, uma vez que os preços não foram afetados pela notícia de que um incêndio na usina de zinco da Nyrstar, na Austrália, cortou temporariamente a produção da companhia em 20%.

 

O contrato do chumbo para três meses tinha alta de US$ 5,00, para US$ 1.750,00 por tonelada, enquanto o contrato do níquel para três meses recuava US$ 240,00, para US$ 20.910,00 por tonelada. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreeuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.