Metais cedem com aversão ao risco e alta do dólar

Instabilidade na Líbia faz com que investidores reduzam exposição aos metais básicos

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

22 de fevereiro de 2011 | 10h01

Os metais básicos mostram queda nesta manhã, com vendas comandadas por aversão ao risco e pela alta do dólar decorrentes da crise na Líbia.

 

Às 9h05 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 1,4% para US$ 9.677,50 a tonelada, 5% abaixo do recorde de alta atingido há uma semana de US$ 10.190,00 a tonelada. Na Comex eletrônica, o contrato de março despencava 2,03% para US$ 4,3920 por libra peso às 9h42 (de Brasília).

 

O resto do complexo negociado na LME também cedia forte. O alumínio caía 2,5% para US$ 2.515,00 a tonelada no mesmo horário acima; o zinco recuava 3% para US$ 2.518,00 a tonelada; o níquel cedia 1,7% para US$ 28.804,00 a tonelada; o chumbo operava em baixa de 3,7% para US$ 2.575,00 a tonelada e o estanho caía 1,7% para US$ 31.800,00 a tonelada.

"As implicações da instabilidade na Líbia sobre a economia global está no radar dos investidores hoje", disse o analista do Credit Agricole, Robin Bhar. Diante da incerteza, os investidores estão reduzindo a exposição comprada nos metais básicos, acrescentou um trader.

 

Outro trader observou que "os brokers estão muito atentos ao fortalecimento em vários mercados como o de cobre, portanto, reduzir um pouco as posições é uma boa ideia". As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.