Metais encerram pregão em alta, em dia de poucos negócios

Ouro também subiu, diante da busca por segurança por parte dos investidores, em meio aos temores persistentes quanto à crise de dívida na zona do euro e à escalada das tensões entre as Coreias

Cynthia Decloedt e Renato Martins, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2010 | 17h53

Os contratos futuros de ouro fecharam na Comex, divisão da New York Mercantile Exchange (Nymex). Traders atribuíram a alta à busca de segurança pelos investidores, em meio aos temores persistentes quanto à dívida de alguns países da zona do euro e à escalada das tensões entre as Coreias do Sul e do Norte. A Coreia do Sul fez exercícios de artilharia em uma área disputada da fronteira; a Coreia do Norte não reagiu.

Segundo o estrategista Daniel Pavilonis, da Lind-Waldock, o fato de a reunião de cúpula da União Europeia não ter esclarecido como os países membros pretendem resolver a crise da dívida "deu um pouco de espaço para o ouro subir". Os contratos de ouro para fevereiro fecharam a US$ 1.386,10 por onça-troy, em alta de US$ 6,90 (0,50%).

Na London Metal Exchange (LME), os metais básicos fecharam em alta, em sessão de baixa liquidez e volatilidade, provocadas pela proximidade do final de ano.

O cobre para três meses chegou a operar apenas US$ 10,00 abaixo do recorde atingido na semana passada, tocando em US$ 9.257,50 a tonelada na máxima intraday. Ao final da rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME), o contrato estava em US$ 9.201,00 a tonelada métrica, 1,4% acima do fechamento de sexta-feira.

Na Comex, os contratos de cobre para março fecharam a US$ 4,2060 por libra-peso, em alta de US$ 0,0470 (1,13%).

Entre outros metais, o níquel caiu 2% para US$ 24.500,00 a tonelada na LME. A alta do dólar teve pouco impacto nos metais industriais, sugerindo que os mercados estão sendo orientados pelos fundamentos. Tradicionalmente, os preços caem com o fortalecimento da moeda norte-americana.

Em um dia com poucas notícias sobre os fundamentos do mercado, o anúncio de força maior na mina chilena Doña Inés, em Collahuasi, após um acidente em seu porto, provocou pequena elevação dos preços do cobre.

Um estrategista destacou que, embora a demanda caia durante os feriados de fim de ano, há temores de que a demanda comece a subir e a oferta de cobre fique apertada novamente no começo do ano. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.