Metais fecham em alta com recuperação do euro e fala de Bernanke

Presidente do Fed disse que fará o que for necessário para sustentar economia americana

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

27 de agosto de 2010 | 19h01

Os metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) fecharam a semana em alta. O rali do euro e os comentários levemente positivos do presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, foram suficientes para impulsionar os contratos.

 

Os fortes fechamentos levaram os metais de volta aos níveis da semana passada. O cobre negociado na LME atingiu a máxima em uma semana, de US$ 7.472,25 por tonelada, e fechou em alta de 2,1%, ou US$ 154,00, em US$ 7.458,00. Na divisão de metais Comex da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para dezembro fechou em alta de US$ 0,0590, ou 1,77%, em US$ 3,3845 por libra-peso, com mínima intraday de US$ 3,3160 e máxima de US$ 3,4000.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o níquel teve os maiores ganhos com aumento de quase 3%, somando US$ 600,00, com o contrato em US$ 21.050,00. O chumbo teve aumento de US$ 63,00, fechando em US$ 2.088,00, o alumínio ganhou US$ 35,00, para US$ 2.057,00, e o estanho subiu US$ 290,00, para US$ 21.640,00.

 

Bernanke acredita que a economia dos Estados Unidos ganhará impulso em 2011. Em discurso durante a reunião de dois dias de bancos centrais em Jackson Hole, nos EUA, Bernanke disse que o Fed agirá se "desenvolvimentos inesperados" levarem a recuperação a falhar ou se a deflação começar.

 

Seus comentários sustentaram o sentimento nos mercados de ações dos EUA, com o índice Dow Jones voltando a ficar acima do marco de 10 mil pontos e, no mercado de câmbio, o euro se fortaleceu perante o dólar. Um trader de Londres afirmou que o rali do euro no final da tarde na Europa acionou a compra de metais pelos fundos, impulsionando o aumento do preço do cobre.

 

Os dados econômicos dos EUA continuaram a mostrar sinais mistos. A revisão para baixo do Produto Interno Bruto (PIB) do país foi menor do que a esperada por economistas, mas o índice de sentimento do consumidor Reuters/Universidade de Michigan de agosto caiu para 68,9, ante previsão de 69,9.

 

Outros metais também realizaram movimentos similares com o rali do euro. O zinco negociado na LM fechou em alta de 2%, ou US$ 42,00, em US$ 2.092,00.

 

Analistas dizem que um fortalecimento no mercado de zinco da China pode sustentar os preços. Os estoques de zinco na Bolsa de Xangai caíram 4.404 toneladas durante a semana, para 231.568 toneladas. O declínio sugere que o mercado de zinco refinado na China está ficando mais apertado, possivelmente devido a um mercado de zinco concentrado mais apertado também, uma vez que produtores de zinco em todo o mundo aumentaram a produção.

 

No segmento dos metais preciosos, o contrato do ouro para dezembro fechou em alta de US$ 0,2, ou 0,02%, para US$ 1.237,90 por onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobrezinco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.