Metais fecham sem direção comum

No segmento de metais preciosos, o ouro negociado na Comex subiu 0,57%, para 1.368,20 por onça-troy

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

18 de janeiro de 2011 | 17h52

Os preços dos contratos futuros do cobre fecharam em alta, impulsionados pela fraqueza do dólar, que torna as commodities mais baratas para os detentores de outras moedas e tende a impulsionar os preços desses ativos. Os demais metais básicos, no entanto, encerraram o pregão sem direção comum.

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME) o contrato do cobre para três meses fechou em alta de US$ 75,00, ou 0,78%, a US$ 9.700,00 por tonelada, depois de ter tocado a máxima intraday de US$ 9.736 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para março subiu US$ 0,0160, ou 0,36%, para US$ 4,4280 por libra-peso.

O contrato do chumbo para três meses negociado na LME fechou em queda de US$ 17,00, a US$ 2.623,00 por tonelada. O estrategista de metais Stephen Briggs, do BNP Paribas, disse que os preços do chumbo estão recebendo suporte da perspectiva de um aperto na oferta nos próximos anos e alertou que o mercado pode sofrer uma correção no curto prazo, especialmente se forem retomadas as atividades na mina de Magellan, que está paralisada desde o início de janeiro por questões ambientais.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do zinco recuou US$ 14,50, para US$ 2.435,50 por tonelada. O contrato do alumínio subiu US$ 15,00, para US$ 2.449,00 por tonelada. O contrato do níquel teve ganho de US$ 240,00 e encerrou o dia a US$ 26.075,00 por tonelada. O contrato do estanho fechou em baixa de US$ 5,00 a US$ 26.920,00 por tonelada.

No segmento de metais preciosos, o contrato do ouro para fevereiro negociado na Comex subiu 7,70, ou 0,57%, para 1.368,20 por onça-troy, impulsionado por compras de investidores que consideram baixo o atual preço do metal.

No início de janeiro, o ouro operava em nível recorde, superior a US$ 1.422,00, mas desde então o valor do metal recuou, pressionado pelas expectativas cada vez mais otimistas sobre a recuperação da economia mundial, que levou os investidores a aplicarem em ativos relativamente mais arriscados, como ações.

Segundo Larry Young, presidente da Covenant Trading, esse é o motivo para os participantes do mercado "considerarem o preço atual uma barganha", especialmente porque "ainda há muito ceticismo e as pessoas não confiam nos mercados de ações no momento". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.