Metais mantêm movimento positivo de ontem

Participantes do mercado, no entanto, avaliam que a queda do euro e a fraqueza das bolsas limitam o entusiasmo

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

25 de maio de 2011 | 08h40

O cobre segue sustentado em alta nesta manhã, dando sequência aos ganhos de ontem do complexo, mas participantes dizem que a queda do euro e a fraqueza das bolsas limitam o entusiasmo.

Às 7h44 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia US$ 135,25, para US$ 8.996,25 a tonelada. Mais cedo, o metal havia superado o nível psicológico de US$ 9.000,00 a tonelada, atingindo US$ 9.016,00 a tonelada.

Na Comex eletrônica, o contrato de julho do cobre subia 1,88% para US$ 4,0890 por libra peso às 8h37 (de Brasília).

A apreciação dos preços no mercado futuro de Xangai, onde investidores continuaram atraídos pelos baixos preços atingidos na queda de segunda-feira, também influenciou as compras na Europa.

Analistas disseram que a melhora na projeção de preços para as commodities divulgada ontem pelo Goldman Sachs e os números norte-americanos sobre vendas de imóveis novos ainda tinham reflexo positivo sobre os metais. Mas advertiam para a crise europeia e para o comportamento negativo do euro e dos índices futuros de ações norte-americanas.

"O mercado continua a oscilar entre uma série de fatores conflitantes, e os problemas de dívida da Europa estão longe de acabar", exercendo pressão sobre os metais, disse um operador.

Mas para o médio prazo, as perspectivas são positivas. A queda nos estoques da China estão entre os fatores com potencial de sustentação dos preços. O analista do Standard Chartered, Dan Smith, observa que os preços ainda estão abaixo dos níveis de um mês atrás.

Entre outros metais, o contrato de alumínio para três meses era negociado em alta de 1,5% a US$ 2.542,00 a tonelada no mesmo horário acima na LME, enquanto o contrato de três meses do zinco subia 1,7% para US$ 2.228,50 a tonelada e o contrato do níquel avançava 0,9% para US$ 23.100,00 a tonelada. O chumbo para três meses operava em alta de 0,9% a US$ 2.509,25 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.