Metais operam em direções mistas após dados da China

Os contratos futuros de metais básicos operam em direções divergentes nesta terça-feira, após indicadores da economia da China.

AE, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014 | 09h17

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 7,3% no terceiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano anterior, num ritmo menor do que o registrado entre abril e junho, de 7,5%, informou o Escritório Nacional de Estatísticas do país.

O ritmo de crescimento no terceiro trimestre deste ano é o mais lento deste o primeiro trimestre de 2009, quando o PIB cresceu 6,6%. No entanto, a alta divulgada hoje superou a mediana das previsões de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que sugeriam crescimento de 7,2%.

Além disso, a produção industrial do país teve crescimento de 8,0% em setembro, na comparação com o mesmo mês de 2013. O número representa uma aceleração em relação à alta de 6,9% registrada em agosto e ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que esperavam avanço de 7,5%.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses subia 0,6%, para US$ 6.600,25 por tonelada, por volta das 8h15 (de Brasília). O alumínio ganhava 0,7%, a US$ 1.987 por tonelada, e o estanho avançava 0,4%, a US$ 19.450,00 por tonelada. Por outro lado, o zinco recuava 1,7%, para US$ 2.177,25 por tonelada, o níquel cedia 0,8%, a US$ 15.235,00 por tonelada, e o chumbo perdia 0,6%, a US$ 2.005,50 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da Nymex, o cobre para dezembro ganhava 0,27%, a US$ 2,9960 por libra-peso, às 9h11 (de Brasília). Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
MundoMetais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.