Metais se recuperam com caça às pechinchas, mas cautela permanece

Estoques de cobre caíram 275 toneladas, para a mínima dos últimos seis meses de 479.050 tonelada

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de maio de 2010 | 09h35

Os metais básicos se recuperam nesta manhã, sustentados pelo euro, que opera quase estável

diante do dólar, e pelo avanço das principais bolsas internacionais. O tom firme nos mercados financeiros forneceu uma oportunidade para que os caçadores de pechinchas apostem em uma recuperação do preço dos metais no curto prazo em seguida à liquidação recente, embora a cautela continue predominando.

 

O zinco está tendo os maiores ganhos na London Metal Exchange (LME), com volumes relativamente grandes, em boa parte por causa da força da demanda na Ásia durante a noite. Por volta das 8h (de Brasília), o zinco para três meses tinha alta de US$ 62 em comparação com o fechamento de ontem, a US$ 1.917 por tonelada. O cobre subia US$ 125, para US$ 6.855 por tonelada. Os estoques de cobre caíram 275 toneladas, para a mínima dos últimos seis meses de 479.050 toneladas.

 

"Tendo em vista o mais recente mergulho (nos preços dos metais), para aqueles investidores mais corajosos potencialmente foi oferecido um bom ponto de entrada", afirmou Leon Westgate, do Standard Bank.

 

As bolsas europeias operam em alta. Entre as notícias positivas está o relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que elevou sua estimativa para o crescimento dos 31 países membros do grupo neste ano para 2,7%.

 

Os volumes das negociações permanecem baixos, com muitos investidores ainda à espera de que a volatilidade da última semana diminua. "Os volumes não estão grandes. Eu acho que o mercado ainda está bem cauteloso", disse Westgate.

 

Separadamente, o Instituto Internacional de Alumínio afirmou que os estoques globais do metal subiram 3,3% em abril ante março, para 2,268 milhões de toneladas. Em comparação com abril de 2009, houve queda de 12%.

 

Entre os outros metais negociados na LME, o alumínio subira US$ 28, para US$ 2.045 por tonelada; o chumbo avançava US$ 52,50, para US$ 1.792,50 por tonelada; o níquel ganhava US$ 435, para US$ 21.625 por tonelada; e o estanho tinha alta de US$ 105, para US$ 17.700 por tonelada. Em Nova York, o cobre para julho negociado na Comex subia 2,12%, para US$ 3,1065 por libra-peso, às 8h55 (de Brasília). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobrelme

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.