Metais se recuperam na LME com ajuda de dados econômicos e balanços

Retomada parcial dos voos nos aeroportos da Europa também reduziu os receios de que o caos aéreo pudesse prejudicar a recuperação econômica da região

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de abril de 2010 | 08h35

Os metais básicos se recuperam na London Metal Exchange (LME) conforme indicadores econômicos e balanços corporativos positivos aliviam as preocupações com o caso de fraude do Goldman Sachs. A divulgação hoje de expectativas com a economia da Alemanha melhores do que se esperava aumentaram a confiança na recuperação do país e uma alta nas bolsas no fim da tarde de ontem acalmaram também ajudou.

 

Uma retomada parcial dos voos nos aeroportos da Europa também reduziu os receios de que o caos aéreo provocado pela fumaça expelida por um vulcão na Islândia pudesse prejudicar a recuperação econômica da região.

 

O cobre opera com alta de cerca de 3% em relação à mínima atingida ontem e, por volta das 7h30 (de Brasília), registrava US$ 7.840,50 por tonelada, um avanço de US$ 146,50 sobre o fechamento de ontem. O níquel e o chumbo apresentam os maiores ganhos. O níquel sobe US$ 720, para US$ 27.420 por tonelada, enquanto o chumbo avança US$ 61, para US$ 2.269 por tonelada.

 

Participantes do mercado afirmaram que as vendas observadas nos metais nas duas últimas sessões, estimuladas pelo nervosismo que se seguiu à acusação de fraude feita pela Securities and Exchange Commission (SEC) contra o Goldman Sachs, não foram um sinal de que uma correção mais profunda nos metais esteja próxima.

 

Especuladores de curto prazo realizaram lucros, mas investidores concentrados nas perspectivas de médio e longo prazos continuam apostando na alta dos preços, segundo o analista do Citigroup, David Thurtell. "A acusação de fraude contra o Goldman não muda a quantidade de cobre que a China vai consumir neste ano", observou.

 

A volta do apetite por risco levou os investidores novamente para o mercado, de acordo com um operador de Londres. No horário citado, o zinco subia US$ 44, para US$ 2.429 por tonelada. O alumínio avançava US$ 36, para US$ 2.405 por tonelada; e o estanho tinha alta de US$ 350, para US$ 19.150 por tonelada. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.