Metais seguem euro e bolsas e sobem

Por volta das 8h, o cobre para três meses operava em alta de US$ 9,50, para US$ 7.409,50 por tonelada

Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de abril de 2010 | 08h49

Os metais básicos se recuperam na London Metal Exchange (LME), depois de dois dias de fortes perdas, seguindo o movimento de alta do euro e dos mercados de ações. No entanto, os ganhos são modestos, já que as incertezas com relação à capacidade da União Europeia de conter as crises de dívida soberana continuam deixando os investidores alertas para o crescimento de suas exposições a ativos de maior risco, como os metais.

 

Por volta das 8h (de Brasília), o cobre para três meses operava em alta de US$ 9,50, para US$ 7.409,50 por tonelada. O alumínio subia US$ 26, para US$ 2.215 por tonelada; o níquel avançava US$ 270, para US$ 25.870 por tonelada; o zinco ganhava US$ 8, para US$ 2,338 por tonelada; o chumbo tinha alta de US$ 15, para US$ 2.252 por tonelada; e o estanho subia US$ 425, para US$ 18.400 por tonelada.

 

Will Adams, analista da BaseMetals.com, observou que as grandes preocupações dos mercados com as crises de dívida soberana da zona do euro vão dificultar a melhora dos indicadores econômicos por um tempo.

 

Os movimentos dos estoques são positivos para o cobre e o alumínio, mas negativos para o zinco. Os estoques de zinco subiram 4.775 toneladas e permanecem nos maiores níveis em quase quatro anos e meio. O mercado de zinco também recebeu notícias negativas do Grupo Internacional de Estudos de Chumbo e Zinco, que prevê que o mercado terá superávit de 418 mil toneladas do metal neste ano. Para o chumbo, a instituição prevê superávit em torno de 100 mil toneladas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreLME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.