Metais seguem sem direção única em Londres

Às 10h21 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses recuava 0,3%, para US$ 9.775 a tonelada

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2011 | 11h44

Os metais básicos operam em direções divergentes na London Metal Exchange (LME), com o cobre sendo negociado em queda mas numa faixa estreita, à medida que os participantes do mercado estão divididos sobre qual direção o metal adotará.

As notícias de que o banco central da China elevou o compulsório bancário dos bancos em 0,5 ponto porcentual - a segunda alta neste ano, tiveram pouco impacto imediato sobre o complexo dos metais, apesar das turbulências anteriores na sequência de medidas semelhantes de aperto econômico do maior consumidor de metais do mundo.

Às 10h21 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses recuava 0,3%, para US$ 9.775 a tonelada, levemente baixo da cotação de ontem de US$ 9.705 a tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para março recuava 0,60%, para US$ 4,4570 por libra-peso por volta das 11h05 (de Brasília).

Muitos dos participantes do mercado mostraram-se preocupados nas últimas semanas de que o cobre tenha se movimentado na frente de seus fundamentos imediatos, que têm sido enfraquecidos por uma sucessão de aumentos de estoques e pela falta de compra física da China, diante da perspectiva de um mercado apertado nos próximos meses.

Os estoques do cobre nos armazéns da LME subiram para 407.925 toneladas no overnight, alcançando seu maior patamar em seis meses, enquanto os estoques em Xangai aumentaram quase 12%, para 161 mil toneladas na semana até 17 de fevereiro - o maior nível desde maio de 2010.

Entre os outros metais, o contrato do alumínio para três meses tinha alta de 1,1%, para US$ 2.540,50 a tonelada, por volta das 10h21 (de Brasília), enquanto o do zinco subia 1,1%, para US$ 2.538,50 a tonelada. O níquel avançou 0,04%, para US$ 28.500 a tonelada, enquanto o do chumbo aumentava 0,8%, para US$ 2.605 a tonelada. O contrato do estanho cedia 0,2%, para US$ 31.595 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.